Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Bruno Garattoni

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Vencedor de 15 prêmios de Jornalismo. Editor da Super.
Continua após publicidade

Mesmo não chegando ao PlayStation VR2, “F1 23” é o melhor título da série em anos

Novo game da Fórmula 1 não roda em realidade virtual no PlayStation 5; volta do "modo campanha", novo sistema de jogo e refinamento dos carros, bem melhores de guiar, compensam  

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 17 jul 2023, 14h45 - Publicado em 15 jun 2023, 09h49

Novo game da Fórmula 1 não roda em realidade virtual no PlayStation 5; volta do “modo campanha”, novo sistema de jogo e refinamento dos carros, bem melhores de guiar, compensam  

Entre os mais de 20 jogos lançados com o headset PlayStation VR2, o melhor é um de corrida: a atualização de Gran Turismo 7 para realidade virtual é a experiência mais impressionante da atual geração de consoles. Por isso havia a expectativa de que F1 23, o novo game da Fórmula 1, também rodasse em realidade virtual no PlayStation 5 (seu antecessor, F1 22, já fazia isso no PC). Infelizmente, não rolou: F1 23, que será lançado amanhã para PlayStation, Xbox e Windows, não é compatível com o PS VR2.

O PlayStation 5 teria fôlego de sobra para rodar o jogo em realidade virtual. No PC, a produtora Electronic Arts recomenda uma placa de vídeo GeForce RTX 2070 para executar F1 23 no modo VR. E essa placa é capaz de executar 7,4 teraflops (trilhões de operações por segundo) – está bem aquém, portanto, dos 10,29 teraflops do PS5. 

Talvez o estúdio inglês Codemasters, que desenvolveu o game para a Electronic Arts, não tenha tido tempo ou acesso ao PS VR2 com a antecedência necessária. Ou o jogo não rode em VR no PlayStation 5 por uma razão mais prosaica: a falta de acordo comercial entre Sony e Electronic Arts. Pena. 

Continua após a publicidade

Mas, mesmo assim, F1 23 é o melhor jogo da série em anos. O primeiro motivo é a volta do “modo campanha”. Ele se chama Braking Point 2, e é uma história em que você controla vários personagens: os pilotos Aiden Jackson (o protagonista), Devon Butler (o vilão) e Callie Mayer (a novata), bem como o chefe da equipe. 

A história não é nenhum Lauda x Hunt, mas é bem contada. Conforme você atravessa seus 17 capítulos, dirigindo os carros e tomando as decisões do time, o roteiro vai revelando surpresas que dão alguma profundidade aos personagens. 

Continua após a publicidade

As entrevistas à imprensa, que você concede após às corridas, melhoraram um pouco: as perguntas e as opções de resposta são mais elaboradas. Mas continuam sem grande efeito prático sobre o desenrolar da história. Talvez isso fosse pedir demais: Braking Point 2 é meio que um bônus caprichado, não o foco de F1 23 – que continua sendo as corridas em si. 

Nisso, a grande novidade é o modo F1 World: ele propõe atividades para você fazer (como correr em pistas de rua ou na chuva, por exemplo), e em troca concede pontos que melhoram a performance do carro e podem ser usados em novos “eventos” online, mais difíceis. 

Isso cria uma estrutura, com objetivos que motivam o jogador – a Electronic Arts promete ir adicionando novas atividades diárias, semanais e em temporadas. É uma dinâmica similar à  dos games de tiro multiplayer, e ajuda a manter o interesse do público. 

Continua após a publicidade

Também dá para jogar nos modos tradicionais, sem o F1 World, e disputar temporadas reais da Fórmula 1. O game já vem com os novos circuitos do Qatar e de Las Vegas, que é seu destaque visual: o percurso, passando pelos cassinos da Sunset Strip, é bem bonito. 

A riqueza gráfica dessa pista está acima dos demais circuitos – que só ganharam uma ou outra melhoria visual discreta. Os gráficos são bons, mas são os mesmos de sempre (testamos o jogo no Xbox Series X). 

Continua após a publicidade

Já os carros estão surpreendentemente diferentes – e melhores. Para quem joga no controle, o destaque é o novo sistema Precision Drive, que torna a direção mais suave e progressiva. Ele realmente ajuda. Por outro lado, o acelerador está bem mais nervoso, exigindo cuidado (mesmo com o controle de tração ligado no nível médio). 

Para quem joga com volante e pedais, esse problema não acontece – e os carros se comportam muito bem. Dá para sentir as rodas destracionando e corrigir a traseira do carro antes de rodar, algo que em F1 22 era quase impossível. 

No geral, a direção – testamos o jogo com um volante Logitech G920 – ficou mais dócil e previsível (se você atacar as zebras em ângulos errados, por exemplo, o carro não dá pulos tão incontroláveis quanto em F1 22). Isso, somado ao alto downforce dos carros, os torna bem agradáveis de guiar. A diferença é notável.

Continua após a publicidade

Games que recebem uma nova edição por ano, como o da Fórmula 1, geralmente são acusados de trazer poucas novidades frente aos antecessores. F1 23 não é assim. Os modos Braking Point 2 e F1 World, somados às novas pistas e às bem-vindas mudanças nos carros, formam um pacote convincente – na melhor edição do jogo em vários anos.

Seu preço de lançamento é R$ 359. F1 23 pode ser testado de graça pelos assinantes do serviço Xbox Game Pass Ultimate, que têm direito a cinco horas de jogo.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.