Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

O que Renato Russo quis dizer na letra de Há Tempos?

Pergunta de Carol Simões, São José dos Pinhais, PR

Por Oráculo
Atualizado em 8 Maio 2018, 19h15 - Publicado em 26 set 2014, 15h35

Caro Sábio dos Sábios (ou sábia das sábias). Responda-me para que eu possa dormir em paz com meu cérebro! O que Renato Russo quis dizer no final da música Há Tempos? Para relembrar, a música fala “Lá em casa tem um poço, mas a água é muito limpa”. Na casa dele tem mesmo um poço? Se tinha qual o problema da água ser limpa? Se não tinha o que ele quis dizer?
Obrigada pela atenção
Carol Simões, São José dos Pinhais, PR

Parece cocaína mas é só tristeza, talvez tua cidade.
Muitos temores nascem do cansaço e da solidão
E o descompasso e o desperdício herdeiros são
A glória da virtude que perdemos.

Há tempos tive um sonho, não me lembro
não me lembro…

Tua tristeza é tão exata
E hoje o dia é tão bonito
Já estamos acostumados
A não termos mais nem isso.

Os sonhos vêm e os sonhos vão
O resto é imperfeito.

Continua após a publicidade

Disseste que se tua voz tivesse força igual
À imensa dor que sentes
Teu grito acordaria
Não só a tua casa
Mas a vizinhança inteira.

E há tempos nem os santos têm ao certo
A medida da maldade
Há tempos são os jovens que adoecem
Há tempos o encanto está ausente
E há ferrugem nos sorrisos
E só o acaso estende os braços
A quem procura abrigo e proteção.

Meu amor, disciplina é liberdade
Compaixão é fortaleza
Ter bondade é ter coragem
Lá em casa tem um poço
mas a água é muito limpa.

Não se sabe se na casa do Renato Russo tinha um poço de verdade. Mas nesse poço poético cabe tudo o que se quiser colocar, e a água tem o sabor que se quiser beber, filosofa o crítico musical e professor da Universidade Federal do Sul da Bahia André Domingues.

Continua após a publicidade

“Para se aprofundar na metáfora final da canção, acredito que o caminho seja o de perceber que a limpidez da água contraria e desmistifica o aspecto escuro e misterioso do poço”, diz Domingues. Segundo o professor, a última parte da letra já vinha conciliando falsas contrariedades e encontrando ideias potencialmente positivas no que poderia ser negativo.

Um exemplo é quando a letra fala de um elo entre disciplina e liberdade, que aparentemente são contraditórias. “Nesse movimento se busca um remédio para os impasses de uma experiência histórica tida como triste, desencantada, ambígua”, afirma Domingues. Por isso que “só o acaso estende os braços a quem procura abrigo e proteção”.

Entendeu?

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.