Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.

Por que os planetas mais próximos do Sol são menores?

O tamanho varia de acordo com a composição de cada planeta, fruto da formação do Sistema Solar.

Por Luisa Costa Atualizado em 15 jun 2022, 10h31 - Publicado em 15 jun 2022, 10h23

Para entender, vamos ao passo a passo da formação do Sistema Solar.

Tudo começou há 4,6 bilhões de anos, com uma grande nuvem de gás e poeira. A matéria ali começou a ficar cada vez mais densa: formou-se um corpo central (um proto-Sol) e seu disco de acreção (gás e poeira que foram se aglutinando em rochas maiores, os proto-planetas). Esse disco consiste em um enorme amontoado de massa que se organiza no equador da estrela que está nascendo – e gira no mesmo sentido que ela. Ali estavam os materiais que viriam a formar nosso sistema planetário, eu, você e tudo à nossa volta.

O proto-Sol virou o Sol de hoje quando entrou em ignição. Esse parto explosivo jogou para bem longe os elementos mais leves (hidrogênio, hélio, vapor d’água – elementos-base dos planetas gasosos).

Isso acontece por causa do aumento de temperatura: à medida que as moléculas dos gases adquirem energia ao redor da estrela, elas se movimentam. É como as moléculas dentro da panela de pressão, que se agitam conforme o recipiente esquenta, porque a energia térmica vira energia cinética.

Essas moléculas voláteis (que existem aos montes nesse ambiente pré-Sistema Solar) se movimentam na direção oposta da estrela, saindo da região quente para lugares mais frios. Então se concentram na periferia do disco de acreção, junto a outros gases – e só elementos mais pesados resistem ao calor da vizinhança solar.

O grosso do que sobrou perto do Sol foram materiais pesados: silício, ferro, níquel… E esses deram origem aos planetas rochosos (Mercúrio, Vênus, Terra e Marte). Como hidrogênio e hélio formam 99,9% da matéria do Universo, os planetas gasosos (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno) se tornaram gigantes.

Fontes: Enos Picazzio, professor doutor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG-USP); livro “Astronomia: uma visão geral do Universo”, da Edusp.

Compartilhe essa matéria via:

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)