Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Se Conselho Fosse Bom

Por Blog
Coluna semanal de perguntas práticas, sentimentais e existenciais enviadas por leitores da SUPER. Por Karin Hueck
Continua após publicidade

“Socorro, como explico para os meus filhos de onde vêm os bebês?”

Chega de jogar a culpa na cegonha. E o que fazer se você não é bom de papo?

Por Karin Hueck Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
13 jun 2017, 14h41

Olá! Tenho uma menina de 8 anos em casa e mais um casal de enteados da mesma idade. Tenho observado que as crianças estão descobrindo sua sexualidade mas acredito que eles ainda não sabem o “be a bá” das coisas. Qual a melhor forma de falar sobre sexo e sexualidade com eles? Como explicar de onde vem os bebês? Lembro que minha mãe nunca teve uma conversa franca sobre o assunto comigo e não quero fazer o mesmo com a minha filha.
– Mamãe em crise.
Cara mamãe em crise.
Você tem razão, não faça como a sua mãe. O melhor mesmo é conversar. Aos 8 anos de idade, eles já devem ter pescado algumas coisas e devem ter muitas dúvidas sobre o assunto. Diga que você quer explicar de onde vêm os bebês e peça para eles fazerem as perguntas que quiserem. Responda o que eles realmente estão perguntando. (Não precisa entrar em detalhes que eles não pediram para saber). E o mais importante: converse como se fosse a coisa mais natural do mundo – porque no fundo é. Se eles perceberem que você está desconfortável, vão entender que o assunto é tabu.

Assim, comece explicando a parte mais fácil: que todos os meses as mulheres produzem um óvulo, enquanto que homens produzem milhões de espermatozóides por dia. Para fazer um bebê, é preciso que essas duas gametas se encontrem. Óvulo e espermatozoide então se misturam e se transformam em um feto, que vai crescer dentro da barriga da mãe. Quanto à parte mais… anatômica, digamos, é melhor ser sincera também. Explique que existe uma coisa chamada sexo, que é feita entre adultos. Explique que o pênis do homem fica duro e entra na vagina da mulher (é melhor chamar as partes do corpo com os nomes corretos mesmo), e que o ato é bom para os dois. Diga que sexo é algo que só deve ser feito entre duas pessoas que estejam a fim. E o principal: por que não incluir o seu marido na conversa?

Gostou das dicas? Eu não tirei tudo da minha cabeça. Boa parte vem do nosso dossiê “Como explicar o mundo para as crianças”. Tem essa e muitas outras respostas lá. Dá uma olhada.

(Reprodução/Superinteressante)

 

Após começar a fazer faculdade e morar sozinho (eu tenho 17 anos), ando transando todo final de semana com a mesma menina. Só tem uma questão: o papo acabou. Meu maior problema é que eu realmente gosto dela e não consigo mais conversar normalmente sem ficar aquele silêncio constrangedor. O que fazer? Procurar outro relacionamento, insistir nos papos chatos ou simplesmente não fazer nada e ver até quando isso vai durar?
-Mudo
Caro mudo
Se ela topa ir voluntariamente para a sua casa todos os fins de semana é porque algum interesse em você ela deve ter. Acho que, porque você gosta dela, está muito auto-crítico. Lembre-se de que nem todas as conversas precisam ser filosóficas, profundas, sobre o sentido da vida. Imagino que você já tenha conversado com algumas pessoas ao longo da sua vida. Faça o mesmo com ela. Fale sobre o seu dia, seus hobbies, os professores da faculdade, os amigos em comum. Provavelmente, ela vai responder alguma coisa. Preste atenção nessa resposta – e comente em cima. Olha só! Isso já é uma conversa!

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.