GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Milionário coração de pedra

Gabi Tolkowski, lapidário de Antuérpia, na Bélgica, acaba de dar forma ao maior diamante lapidado por técnicas modernas do mundo.

Lapidar um diamante pode justificar a origem do seu batismo – a palavra nasceu do grego adamas, que significa inconquistável, indomável. Há quase um século, os lapidários se debruçam sobre o diamante atrás de novas técnicas para extrair dele o maior brilho. Gabi Tolkowski, lapidário de Antuérpia, na Bélgica, acaba de dar forma ao Centenário, o maior diamante lapidado por técnicas modernas do mundo.

Extraído há três anos na mina Premier, a 100 quilômetros de Joanesburgo, África do Sul, a pedra bruta pesava 599 quilates (120 gramas) e ocupou três anos de trabalho da equipe Tolkowski, entre pesquisa é lapidação. Quase metade do diamante sobreviveu ao polimento manual, feito com um disco de aço poroso e uma mistura de óleo e pó de diamante. Para o retoque final, foi usado raio laser no corte e na angulação das saliências, dando à pedra o formato de coração. Graças à perda de pedra bruta menor do que nas técnicas convencionais, o Centenário ocupa a terceira colocação no ranking das maiores gemas já lapidadas da história, superado apenas pelo Cullinan I (530,2 quilates) e pelo Cullinan II (317,4 quilates), originários do maior diamante bruto já extraído, o Cullinan (3106 quilates).