Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Por que sentimos vontade de esmagar coisas fofas

Não se sinta culpado: o comportamento é fruto de uma pane nos nossos instintos de proteção.

Por Ana Carolina Leonardi Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 14 jul 2020, 13h29 - Publicado em 26 dez 2018, 23h39

Não é preciso ser muito velho para ter na mente a imagem da Felícia – a “vilã” dos Looney Tunes, que apertava sem parar qualquer animal fofo que lhe aparecia pela frente. Uma referência mais recente (mas nem tanto) é de Darla, em Procurando Nemo, que de tanto “amar” peixinhos, cutuca e sacode os bichos até não poder mais.

Nem só vilões de desenho animado, porém, são culpados de impulsos agressivos ao se deparar com uma situação fofa, como uma foto de cachorro, ou um bebê gordinho. 

Esmagar, apertar, morder: todos esses comportamentos  – ou, melhor, impulsos (estamos considerando, aqui, que você resiste a esses instintos e não sai esmagando ninguém por aí) – são chamados coletivamente de cute aggression, algo como Agressão Fofa. E, acredite se quiser, esse é um fenômeno estudado por algumas das melhores universidades do mundo.

Já há alguns anos a Universidade Yale tornou “cute agression” um termo oficialmente acadêmico, provando que pessoas expostas a imagens fofíssimas estouram mais plástico-bolha do que pessoas que observam fotos corriqueiras.

Mas isso não indicava grandes coisas quanto ao motivo. Até porque a Agressão Fofinha não é um fenômeno universal. Tem gente que sente, e tem gente que não. Como explicar o motivo?

Continua após a publicidade

Outra universidade – dessa vez a da Califórnia, em Riverside – veio ao resgate. Em um estudo, pesquisadoras observaram o que acontece dentro do cérebro quando alguém sente a tal Agressão Fofinha.

Foi o primeiro estudo do tipo já feito. 54 voluntários foram expostos a imagens fofas (insira aqui qualquer filhote de mamífero) e imagens não-fofas (uma banana? algo neutro quanto à fofura). A atividade cerebral deles era monitorada a cada instante.

Combinando esses exames de imagem e entrevistas com os participantes, as pesquisadoras concluíram que a reação de Agressão à Fofice está associada a dois fatores: um estímulo muito grande ao sistema de recompensa do cérebro (ou seja, alguém que deriva muito prazer daquele objeto fofo) e uma sobrecarga do sistema que processa emoções.

Continua após a publicidade

Quanto menor era o prazer que alguém sentia ao ver um bebê ou um cãozinho fofo, menor a chance de sentir a tal agressividade – cerca de 35% dos participantes não sabia o que era a “vontade de apertar essa fofurinha”. Os demais, porém, estavam bastante acostumados com esse sentimento.

Os resultados indicam que a cute aggression é a forma como lidamos com essa “pane” no cérebro. A sensação de overdose de fofura pode ser exatamente o que o cérebro sente, em nível fisiológico: uma incapacidade de lidar com o tanto de estímulos derivados da mera visão de um serzinho lindo e indefeso.

Justamente por ser indefeso, aquele serzinho precisa de cuidados. Ninguém cuida de um bebê por razões culturais: nossos instintos são programados para suprir as necessidades daquela criança – e de qualquer coisa que se pareça com ela, como um filhote de cachorro.

Ou seja: ao ver algo que se parece com um bebê, você adquire um comportamento insanamente protetor. E essa vontade incontrolável de proteger se manifesta na forma de cute agression

Continua após a publicidade

Fofo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.