Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

A guerra dos cartuns

Como uma tirinha em um jornal obscuro da Dinamarca quase colocou o mundo inteiro em pé de guerra.

Por Da Redação Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 18h26 - Publicado em 28 fev 2006, 22h00

Eduardo Szklarz

Nas últimas semanas, você deve ter se perguntado como um país tão certinho como a Dinamarca de repente se viu no meio de uma polêmica que inflamou o mundo islâmico. Mas longe de ser uma reação puramente espontânea, a polêmica em torno das caricaturas de Maomé foi arquitetada – de ambos os lados – por líderes que buscam objetivos mais políticos que religiosos.

O desenho – 30 de setembro de 2005

O jornal dinamarquês Jyllands-Posten publica 12 caricaturas de Maomé. Muçulmanos fazem uma manifestação pacífica nas ruas de Copenhague, exigindo desculpas.

Contexto: Teólogos islâmicos consideram qualquer retrato de Maomé uma blasfêmia, apesar de várias imagens já terem sido feitas sem gerar protestos. A própria Super publicou uma em agosto de 2000.

Continua após a publicidade

O polemista – Novembro-dezembro de 2005

Abu Laban, clérigo muçulmano influente na Dinamarca, se reúne com líderes islâmicos no Oriente Médio. Além das 12 charges, ele inclui outras 3 muito mais fortes.

Contexto: Laban quis levar a pendenga para o resto do mundo. E conseguiu. Os 57 líderes de países membros da Organização da Conferência Islâmica se reuniram em Meca para organizar os protestos mundo afora.

Os protestos – 26 de janeiro de 2006

Continua após a publicidade

Países muçulmanos fecham embaixadas na Dinamarca e boicotam produtos dinamarqueses, como o Lego.

Contexto: Interessa aos líderes autoritários muçulmanos dizer que o Ocidente é a única causa de seus males. Mas os governos europeus são responsáveis pelo que os jornais publicam? A tradição ditatorial de alguns governos muçulmanos pode ter diluído o limite entre governo e imprensa.

A reação – 2 de fevereiro de 2006

Jornais europeus reproduzem os desenhos. “Sim, temos o direito de caricaturar Deus”, diz o diário francês France Soir. Vários editores são ameaçados.

Continua após a publicidade

Contexto: Foi um protesto geral. A separação entre Estado e Igreja é sagrada para os europeus desde a Revolução Francesa, em 1789. Além disso, alguns intelectuais propõem controles para a mídia, alegando que a notícia é o único produto vendido sem regulação.

Guerra autorizada – 4 de fevereiro de 2006

Na Síria, as embaixadas da Dinamarca e da Noruega são incendiadas. Os dois países acusam o ditador Bashar Assad de permitir os protestos.

Contexto: Assad nunca ligou para a religião. É membro do clã que governa a Síria há décadas e que já matou milhares de membros da Irmandade Muçulmana, berço do Hamas. Ameaçado de golpe, agora busca o apoio de fundamentalistas para manter o poder.

Continua após a publicidade

O contra-ataque – 13 de fevereiro de 2006

O jornal iraniano Hamshahri Daily, controlado pelo Conselho da Cidade de Teerã, realiza um concurso de charges sobre o Holocausto.

Contexto: Segundo o editor do jornal, a idéia é testar a liberdade de expressão dos ocidentais. A ironia é que, ao fazer isso, ele confirma que o Holocausto existiu, o que contradiz o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, que nega o extermínio dos judeus.

Tiro no pé – 14 de fevereiro de 2006

Continua após a publicidade

Num programa de TV, o ministro italiano Roberto Calderoli usa camiseta com as caricaturas de Maomé. Após violentos protestos no Consulado da Itália na Líbia, ele renuncia.

Contexto: Assim como os líderes islâmicos, a extrema direita européia ganha muito ao dar munição para a guerra das charges. Ela é um prato cheio para a tese de que imigrantes islâmicos não devem ser aceitos na Europa.

Paz e amor – Até agora

George W. Bush não quis se meter. Apenas pediu o fim da violência como meio de expressar insatisfação com o que é publicado.

Contexto: Com a popularidade em queda dentro e fora de casa, Bush encontrou uma boa chance para mostrar que a luta contra o terrorismo não é o mesmo que luta contra o islamismo. Sua atitude também faz parte do delicado equilíbrio que mantém com os ditadores árabes aliados.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.