Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Como funciona o celular que tira fotos?

Basicamente, ele registra imagens da mesma maneira que uma câmera digital, já que todos os modelos levam embutido um acessório desse tipo. A principal diferença é que a resolução das fotos que os celulares tiram é bem menor que o aceitável para uma câmera digital comercial. Enquanto a foto dos celulares tem no máximo 300 […]

Por Redação Mundo Estranho Atualizado em 4 jul 2018, 20h23 - Publicado em 18 abr 2011, 18h51

Basicamente, ele registra imagens da mesma maneira que uma câmera digital, já que todos os modelos levam embutido um acessório desse tipo. A principal diferença é que a resolução das fotos que os celulares tiram é bem menor que o aceitável para uma câmera digital comercial. Enquanto a foto dos celulares tem no máximo 300 mil pixels – nome dado aos pontos coloridos que formam uma imagem digital -, uma câmera tem imagens com pelos menos quatro vezes mais pontos. No caso dos modelos amadores mais sofisticados, a resolução pode chegar a 3,5 milhões de pontos (ou 3,5 megapixels). Apesar dessa limitação, esses telefones são ótimos brinquedos: você pode tirar instantâneos sem ninguém perceber ou colocar fotos no identificador de chamadas. Outro atrativo é poder mandar as imagens para endereços de e-mail ou para outros celulares quase instantaneamente – o envio não costuma demorar mais que cinco segundos. Mesmo o problema da resolução deve acabar logo. “Na Europa e no Japão já há celulares que tiram fotos de até 1,3 megapixel. Aparelhos com essa tecnologia vão chegar ao Brasil ainda neste ano”, diz o engenheiro Edson Bortolli, da Motorola. Será o começo do fim das câmeras que não fazem nada além de tirar fotos?

Xis digital
Câmera embutida gera imagens que podem ser transmitidas por ondas de rádio

1. Os celulares que tiram fotos têm câmeras digitais embutidas. Em relação às máquinas que usam filme, a primeira diferença está na lente. Nos modelos tradicionais, as lentes focalizam toda a luz em cima de um pedaço do filme fotográfico, de 24 por 36 mm. Nas digitais, a luz é direcionada para uma chapa de sensores de apenas 5 mm e a lente é menor, do tamanho de uma unha

2. O “filme” da câmera digital é uma chapa cheia de sensores, os pixels, pontos que formam a foto. Quanto mais partículas de luz cada um deles receber, maior será sua carga elétrica. Assim, a máquina fica sabendo as variações no brilho da cena para compor imagens em preto-e-branco

3. As imagens coloridas aparecem porque cada pixel é coberto por um filtro com uma das cores primárias (azul, vermelho e verde), que formam todos os outros tons. Se um pixel com filtro azul percebe essa cor com brilho máximo e seus vizinhos captam uma intensidade igual para o vermelho e nada para o verde, o processador verá que essa pequeníssima região da imagem é lilás (soma de azul e vermelho total e ausência de verde)

4. Depois que o chip da máquina fez cada pequeníssima região assumir uma cor específica entre milhares possíveis, a imagem ainda tem um jeitão de mosaico (está “pixelizada”, como se diz na linguagem técnica). Para que a foto fique mais realista, o processador reagrupa a coloração de cada conjunto de quatro pequenas regiões, formando um único ponto de cor mais próxima do real

5. A essa altura, a imagem já está prontinha na tela do celular. Mas, para que ela possa ser transmitida para outro aparelho ou por e-mail, toda a informação luminosa da foto precisa ser convertida pelo processador em uma seqüência binária, repleta de zeros e uns. O resultado final é um arquivo digital comum, que pode transitar por ondas de rádio e chegar à internet

Continua após a publicidade

Publicidade