Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Quanto mais espinhas você tem hoje, menos rugas terá amanhã

E não é só uma pele mais lisinha que você ganha: as espinhas, dizem cientistas britânicos, estão ligadas à longevidade.

Por Helô D'Angelo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 19h02 - Publicado em 4 out 2016, 15h00

Espinhas, cravos, oleosidade – acne é um verdadeiro inferno. Mas quem sente isso na pele colhe frutos no futuro: um estudo genético do King’s College de Londres mostrou que pessoas que sofrem de acne na juventude tendem a ter menos rugas enquanto envelhecem. 

O segredo é uma estrutura cromossômica chamada telômero, uma espécie de capa que serve para proteger a pontinha dos cromossomos (pense neles como aqueles plastiquinhos cilíndricos que ficam no fim do cadarço de tênis).

Os cientistas perceberam que, quanto mais longa essa capinha, mais acne você tem – e menos rugas ela desenvolve na velhice. Isso porque os telômeros protegem os cromossomos durante a reprodução celular, um processo que é justamente o que faz a célula envelhecer ao longo da vida: a cada vez que a célula se divide, o telômero fica mais curto, como um lápis sendo apontado.

Quando essa capinha do cromossomo é gasta por completo, a célula não consegue mais se replicar. Aí, ou ela morre, ou fica inativa – é por isso que esse processo está relacionado não só à velhice, como também ao câncer. E essa é uma boa explicação de por que fumar faz mal, por exemplo: o cigarro acelera o processo de encurtamento do telômero, o que faz envelhecer mais rápido, além de facilitar cânceres. 

Continua após a publicidade

Para chegar a essa conclusão, os cientistas do King’s College mediram o comprimento dos telômeros dos glóbulos brancos de 1.205 irmãs gêmeas, todas mulheres – 25% delas sofriam de acne. Em geral, as mulheres que tinham espinhas tinham telômeros muito maiores do que as de pele lisinha: 7,17 kilobases (ou kb, a unidade usada para esse tipo de medição) contra 6,92 kb – mesmo com fatores como idade, peso e altura levados em consideração. Ou seja, quem sofre de acne realmente tem telômeros mais compridos.

Depois disso, os cientistas começaram a procurar o gene que controla a acne. E encontraram só um, o ZNF420 – que, coincidentemente, também controla o envelhecimento das células (ou o gasto de telômeros). A conclusão foi simples: se quem tem acne tem telômeros maiores, e se o ZNF420 controla tanto o gasto de telômeros quanto as espinhas, logo, telômeros que demoram mais para desaparecer significam mais acne e menos rugas. Ufa.

Por enquanto, os pesquisadores ainda não conseguiram descobrir a causa biológica dessa relação entre o ZNF420 e a acne – mas deu para provar com folga que ela existe. Então, se você sofre com as temidas espinhas, fique tranquilo: daqui a alguns anos, é você quem vai estar rindo por último. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.