GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Bazuca é desenvolvida para abater drones – sem quebrá-los

A SkyWall é uma arma que promete proteger fronteiras, chefes de Estado e celebridades

Um homem fardado aparece no meio de uma estrada. Saca uma bazuca. Atira em um robô que sobrevoa a área. Só que o tiro não explode a máquina. Na verdade, paralisa o robozinho e, antes dele se espatifar no chão, ativa um paraquedas que o faz chegar intacto ao solo. Não, isso não é parte de filme dos anos 80 lançado diretamente em VHS. Na verdade, é uma propaganda feita em 2016 – a bazuca está prestes a ser comercializada. O vídeo você vê abaixo:

 

 

O grande trunfo da bazuca SkyWall é justamente o paraquedas, que permite que o conteúdo do drone seja preservado e investigado. Se o robô estiver transportando drogas em fronteiras ou celulares para dentro de prisões, a polícia poderia transformá-lo em pistas para investigação e, posteriormente, em evidência. Além disso, é uma forma não letal de garantir a segurança, sem correr o risco de ferir alguém. O texto de divulgação do produto afirma que a arma poderia ser usada em ocasiões que variam desde a proteção de chefes de Estado até a garantia de privacidade para celebridades fotografadas por drones.

LEIA: Google manda homem sacanear robô – em nome da ciência

A SkyWall funciona assim: a arma usa ar comprimido para arremessar o projétil. A bala da bazuca, por sua vez, tem um sistema que calcula o momento exato para se partir ao meio e liberar uma rede – que paralisa o drone -, pouco antes de abrir o paraquedas. O armamento consegue atingir um alvo que está a até 100 m de distância do atirador.

A ideia é que a bazuca seja fácil de usar. O tempo médio para a recarga dos projéteis é de 8 segundos. “O sistema pode ser recarregado rapidamente, permitindo que vários drones sejam interceptados por um único atirador”. Apesar disso, o armamento não é tão prático quando se pensa em dimensões. A SkyWall tem 1,30 m de comprimento e pesa 10 kg.

A OpenWorks Engineering, empresa britânica que está produzindo o armamento, planeja colocar as primeiras versões à venda a partir de novembro, ainda sem preço especificado. Mas quem quer um sistema antidrone mais eficiente talvez precise esperar mais um pouco. A empresa já divulgou que novos modelos serão lançados, incluindo um que atira automaticamente sempre que localiza um drone. Raça humana 1 x Robôs 0.

LEIA TAMBÉM: 

Morre Tony Dyson, criador do robô R2-D2, de Star Wars
Robô do Google perde jogo para humano – mas ganha o campeonato mesmo assim
Computador consegue imitar os discursos de políticos

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.