Clique e Assine por apenas 6,90/mês

Disquete aumenta trilhas para conter mais dados

Por Da Redação - Atualizado em 31 out 2016, 18h46 - Publicado em 2 ago 2009, 22h00

Por que os disquetes de 3,5 polegadas têm maior capacidade de armazenamento de informação do que os de 5,25 polegadas?

Como as informações são gravadas neles para serem lidas pelo computador?

Em um disquete de 3,5 polegadas as informações estão armazenadas de forma mais densa, ou seja, ele contem um maiôs numero de trilhas. Os discos flexíveis usados em computador são cobertos por um filme composto por partículas (geralmente de óxido de ferro com cobalto) com capacidade de reter forças magnéticas. “As partículas tem formas de agulhas e, quando excitadas por um sinal elétrico, se polarizam (cargas negativas de um lado e positivas de outro) como se fossem imãs”, explica o engenheiro eletrônico George Saliby, da BASF, em São Paulo. Um conjunto desses pequenos imãs forma um bit, a unidade básica de armazenamento.

As partículas magnéticas estão dispostas em filas circulares e concêntricas, as trilhas. Em disquete de 5,25 polegadas cabem 48 trilhas por polegada enquanto em um de 3,5 cabem 135 trilhas. Como o numero de trilhas é maior, cabe também mais informação. A revolução foi possível porque os drives modernos tem cabeça magnética com aberturas ( por onde saem as linhas de fluxo magnético que excitam as partículas) mais finas. Existem duas vantagens em usar discos menores. Primeiro, eles se adaptam melhor aos computadores pequenos. Seria difícil dizer um drive grande para microcomputador portátil. Segundo, é necessário usar menos material para produzir os discos.

Continua após a publicidade

Tantos os disquetes de 3,5 polegadas quanto os de 5,25 são divididos em dois tipos: dupla densidade e alta densidade. Nos de alta densidade, as partículas magnéticas são menores, aumentando a capacidade de guardar informações. Além disso, antes era necessário um sinal (impulso) elétrico inteiro para sensibilizar um numero suficiente de partículas para formar um bit. Com a nova tecnologia de gravação usada nos disquetes de alta densidade, é possível sensibilizar as partículas com apenas meio impulso. Com isso, um numero menor de partículas é capaz de formar um bit.

Publicidade