GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Google cria tour virtual para você visitar o Museu Nacional

Nem o incêndio conseguiu acabar de vez com as relíquias guardadas lá: a tecnologia deu uma ajudinha

O incêndio que destruiu 92% do Museu Nacional do Rio de Janeiro, em setembro de 2018, foi um dos acontecimentos mais marcantes do ano. Muitos brasileiros comentaram, na época, que nunca haviam visitado o museu, e que perderam a oportunidade de ver todas as peças lá contidas. Mas nem tudo está perdido.

Agora, o Google oferece uma visita virtual ao museu, exatamente como ele era antes do incêndio. Dentro da plataforma Google Arts & Culture, há um tour com imagens em 360º pelas salas do museu (captado pelo Google Street View), além de oito exposições. A visita conta com narração em português, inglês e espanhol. É possível ver imagens de 164 peças atingidas pelo incêndio — dentre elas, o crânio de Luzia (fóssil humano mais antigo das Américas).

Segundo Chance Coughenour, gerente do departamento de preservação histórica do Google, isso só foi possível porque alguns anos atrás o Museu Nacional permitiu que a empresa fotografasse e filmasse sua coleção. “O Google Arts & Culture começou a trabalhar em 2016 com o museu para lançar sua coleção online – para que qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo pudesse vê-la e saber mais sobre os artefatos”, disse Coughneour. Apesar desse museu ser um das mais de 50 instituições de arte brasileira a integrar o Google Arts & Culture (são 1,8 mil no mundo inteiro), essa é a primeira vez que a exposição digital de um museu vai ao ar depois do acervo físico ser destruído.

No evento, autoridades revelaram os planos para a recuperação do museu. O governo pretende destinar cerca de R$ 55 milhões para a reconstrução do espaço, além de contar com a ajuda dos 190 mil euros (840 mil reais) doados pelo governo alemão à causa. Também haverá um repasse de R$ 2,5 milhões do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). O projeto do Google contou com o apoio da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e do Ministério da Educação.