GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Um asteróide esquizofrênico

Asteróide com 200 quilômetros de diâmetro está se aproximando do centro do sistema Solar e, ao ser aquecido pelo Sol, começará a ejetar poeira e gases de sua massa, assim como os cometas.

Uma rocha informe com 200 quilômetros de diâmetro, Quíron tem sido um problemático corpo celeste desde a sua descoberta, em 1977. Os astrônomos, simplesmente, não sabem dizer se ele é um pequeno asteróide, ou um gigantesco cometa. Muito maior, por exemplo, que o Halley, que tem 12 quilômetros de diâmetro, ele, inicialmente, agia como um asteróide fora de lugar, pois girava próximos dos distantes Netuno e Urano, e não entre Marte e Júpiter, o território tradicional dos asteróides.
Nos últimos anos, porém, ele está se aproximando do centro do sistema solar e, ao ser aquecido pelo Sol, começa a ejetar poeira e gases de sua massa. É o que fazem os cometas quando desenvolvem suas majestosas caudas, que não são outra coisa senão um envoltório de gases e poeira. Mas os cometas, usualmente, despencam para o Sol de regiões muitíssimo mais distantes que Plutão, o último planeta conhecido pode se transformar em exceção a essa regra e, em vista do seu tamanho, seria uma exceção espetacular.