Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Videogames devem ser censurados?

Confira o que alguns especialistas dizem a respeito de jogos violentos

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h49 - Publicado em 31 Maio 2008, 22h00

Texto Marina Bessa

“Alguns jogos trazem imanentes estímulos à subversão da ordem social, atentando contra o estado democrático e de direito e contra a segurança pública, impondo sua proibição e retirada do mercado.”

Carlos Alberto Simões de Tomaz, juiz que proibiu a venda dos jogos Counter-Strike e EverQuest.

“Proibir a venda de um jogo violento para menores é compreensível, mas banir completamente a sua venda não faz sentido. Proibir adultos de jogar games é tratá-los como crianças, incapazes de fazer escolhas.”

Marcel Leonardi, membro da Comissão de Informática Jurídica da OAB.

“O realismo dos jogos pode confundir o limite entre fantasia e realidade para algumas crianças. Quem ignora a ordem de classificação etária dos games impede o direito dos pais de restringirem os jogos dos filhos.”

Mary Lou Dickerson, senadora americana e autora de leis que proíbem a venda e o aluguel de jogos violentos a menores de idade.

“Se quisermos entender por que os jovens se tornam homicidas, teremos que olhar além do que eles jogam. Culpar os videogames exonera o ambiente em que a criança foi criada e isenta os verdadeiros criminosos.”

Karen Sternheimer, socióloga da Universidade da Carolina do Sul que estuda a relação entre jovens, games e violência.

Continua após a publicidade
Publicidade