GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Você ainda vai teletransportar algo?

Sim, um dos superpoderes mais cobiçados da humanidade não está não longe de virar realidade

Vai. Se bobear, em poucas décadas. Mas nem pense em A Mosca ou Jornada nas Estrelas. Você vai é teletransportar informações do seu computador quântico, por meio de uma internet quântica. Nada de chips: a informação vai fluir entre partículas subatômicas que teletransportam seus bits. Tudo com velocidade e poder de processamento milhões de vezes maiores que hoje. As primeiras experiências nesse campo foram feitas em 1993.

Cinco anos depois, informações (bits) entre partículas foram transmitidas de forma controlada e surgiu um primeiro modelo de computador quântico. Mas será possível teletransportar alguma coisa mais pesada do que uma simples informação? A resposta é sim. O segredo é enviar todas as propriedades de cada um dos átomos de um objeto para um “bolo” de matéria no lugar de destino. “O que fazemos no teletransporte é transferir toda a informação que um sistema carrega direto para outro. Assim, o segundo sistema se transforma no primeiro”, disse à Sapiens o físico Anton Zeilinger, da Universidade de Viena, Áustria, um dos grandes pioneiros na área.

Hoje a tecnologia funciona assim: os cientistas criam uma espécie de conexão entre duas partículas. Essa conexão, que vai servir de estrada para o teletransporte das propriedades dela, é feita com base em um fenômeno ainda misterioso: o entrelaçamento. É uma situação especial em que duas partículas se comportam como se fossem a mesma. Se uma se movimenta aqui, a outra se mexe acolá, no mesmo instante, não importa a distância.

Feito o entrelaçamento, os cientistas mudam as características de uma das partículas com um laser fino o bastante para escrever todo o texto desta página numa cabeça de alfinete. Então, as mudanças feitas em uma vão parar na outra e é isso que é considerado teletransporte. Em 1998, a equipe de Zeilinger foi uma das três primeiras no mundo a fazer isso. Os portadores da informação eram fótons, partículas de luz sem massa.

Em 2004, a equipe conseguiu, pela primeira vez, fazer o mesmo entre partículas com massa – no caso, átomos de cálcio. Ainda assim, Zeilinger não arrisca nas previsões. “O teletransporte de grandes objetos ainda é ficção. A possibilidade de fazer isso com seres vivos, então, é uma questão indefinida”, diz.

Os pesquisadores otimistas acham que logo será possível teletransportar grupos de átomos. Os extremamente otimistas dizem que faremos a mesma coisa com um vírus inteirinho. Quer mais? Daí para cima, ninguém tem coragem de arriscar um palpite.