Blogs

Posts tagueados com ‘aprendizado’


10 perguntas e respostas para entender a dislexia

4 de novembro de 2011

A mãe de Orlando prometeu presenteá-lo com uma moto se ele conseguisse ler 50 livros. Ele nunca chegou a esse número e nunca ganhou o prêmio. Mas não por preguiça ou repulsa à leitura. É que, apesar de enxergar bem, Orlando não conseguia decodificar as letras, que se embaralhavam pelas páginas. Principalmente as letrinhas parecidas, como b e d. Hoje, esse garoto cresceu e provavelmente você o conhece: é Orlando Bloom, ator de O Senhor dos Anéis e Piratas do Caribe. E o problema que ele tem é a dislexia, transtorno de aprendizagem que afeta a leitura e a escrita de cerca de 4% da população mundial.

Apesar de ter ganhado destaque na mídia nos últimos anos, falta muito para que a dislexia seja bem compreendida. Pensando nisso, o Instituto ABCD, organização que difunde informações e fornece apoio a grupos e associações que tratam do problema, está organizando a Semana da Dislexia. O evento, que começou no dia 31 de outubro e vai até domingo, 6 de novembro, trouxe associações, organizações e professores para discutir o tema com seminários, mesas-redondas e outras atividades em diversos lugares. Dá para acompanhar tudo pelo site www.institutoabcd.org.br.

Para ajudar a entender melhor a dislexia, conversamos com a Ana Luiza Navas, presidente do Instituto ABCD, e com o neurologista Rubens Wajnsztejn, do Núcleo de Estudos em Aprendizagem da Faculdade de Medicina do ABC.

1. A dislexia é uma doença?

Tecnicamente, sim. Ela se encontra na Classificação Internacional de Doenças e é hereditária. “Mas os especialistas preferem se referir a ela como um transtorno de aprendizagem e não como uma doença, para que o público não a associe com algo que possa ser curado com remédios”, explica a fonoaudióloga Ana Luiza.

2. O que provoca a dislexia?

Todos nós temos uma série de circuitos responsáveis pelas conexões entre as células do sistema nervoso. Nos disléxicos, ocorre uma falha, ainda durante a gravidez, na migração das células que irão formar esses circuitos. Isso vai provocar dificuldade em fazer as informações transitarem de maneira adequada na área cerebral responsável pela leitura e escrita. Por causa disso, a pessoa tem dificuldades em decodificar símbolos.

3. Existe tratamento?

Não há cura e nem remédio. No entanto, ela pode ser tratada com um acompanhamento pedagógico, em que a pessoa é ajudada a desenvolver suas próprias estratégias para lidar com as dificuldades na leitura e escrita.

Alguns exercícios ajudam a promover a automatização do sistema de leitura. As pessoas sem dislexia leem em blocos: batem o olho em uma frase e conseguem lê-la. O disléxico precisa desenvolver essa habilidade, porque seu distúrbio faz com que ele precise ler letra a letra. Uma técnica usada para isso é escrever e ler palavras em cartões. Para quem estuda, é aconselhado gravar as explicações do professor durante a aula, já que é muito difícil para um disléxico fazer anotações ou ler os livros.

A tecnologia também ajuda bastante. Disléxicos cometem muitos erros na escrita, e corretores ortográficos são importantes. Softwares de leitura para deficientes visuais também são úteis para economizar o tempo que eles perderiam tentando ler por si mesmos.

4- Quando a dislexia começa a se manifestar?

Geralmente quando a criança entra na escola e começa a ser alfabetizada, mas pode ser antes. Demorar demais para aprender os nomes das letras ou as confundir muito, por exemplo, pode ser sinal de que há algum problema. Mas é preciso cuidado para não confundir isso com as dificuldades normais que existem no processo de alfabetização. Assim, é aconselhado esperar cerca de dois anos após o início dessa fase.

5- Pessoas com dislexia têm dificuldades para aprender?

Apesar de ser chamada de transtorno de aprendizagem, a dislexia diz respeito à questão da linguagem escrita. O disléxico não apresenta dificuldades na linguagem oral e compreende bem o que escuta.  Mas a dislexia pode comprometer outras coisas, como a orientação espacial ou a decodificação de informações gráficas variadas. Eles geralmente não têm dificuldades em entender ou fazer desenhos, porque isso depende de um circuito cerebral diferente. Já o problema em entender símbolos matemáticos têm um nome específico, que é chamado de discalculia. A pessoa pode ter um problema ou outro – ou os dois juntos.

6- Disléxicos têm habilidades especiais nas artes?

Nem sempre. O que acontece é que, quando a dislexia é identificada logo cedo, a pessoa acaba escolhendo áreas de interesse que não envolvem leitura, como as artes ou os cálculos. Não é que tenham um dom para essas coisas: elas acabam desenvolvendo essas habilidades. Mas é importante notar que há escritores disléxicos também. Alguns deles contratam outras pessoas para escreverem o que eles falam e transformar em livros.

7- A dislexia pode piorar com o tempo?

A dislexia não piora, mas pode dar a impressão de que está mais grave quando a pessoa está sob pressão ou quando aumenta a demanda pelas habilidades que a dislexia compromete (se o disléxico é pressionado para ler cada vez mais rápido na escola, por exemplo). Por outro lado, ela pode ser abrandada com o desenvolvimento de estratégias – e quanto mais cedo for identificada, maiores as chances de sucesso. Orlando Bloom, por exemplo, hoje lida bem com a sua dificuldade. Ele declarou à agência de notícia Wenn: “Por causa da dislexia, eu sempre pensei que tinha que trabalhar dobrado para chegar ao mesmo lugar que outra pessoa. E agora, sempre que vou a um encontro de negócios, estou sempre superpreparado. De alguma maneira, acho que sou à grato à dislexia, porque ela me deu direção”.

8- Como deve ser feito o diagnóstico da dislexia?

O diagnóstico é feito a partir de uma avaliação multidisciplinar e o ideal é que ela contenha um neurologista, um fonoaudiólogo, um psicopedagogo e um psicólogo. São feitos testes de leituras e escrita, mas o aspecto emocional e neurológico também é avaliado.

9- Por que algumas pessoas confundem dislexia com déficit de atenção? Pessoas com dislexia têm dificuldade de concentração?

É comum ter as duas coisas ao mesmo tempo. Mas 60% tem só dislexia ou só déficit de atenção.

10- Quantas pessoas tem dislexia atualmente?

Aproximadamente 4% da população mundial tem dislexia. Mas a quantidade e a gravidade dos disléxicos em cada país varia dependendo do idioma e do sistema de escrita usado, que pode facilitar ou a dificultar o entendimento. Segundo Ana Luiza, o português é dos mais fáceis, enquanto o inglês já é mais complicado. O japonês é melhor para o disléxico, porque o idioma associa palavras a símbolos, então não é preciso decodificar várias letras. Isso se reflete no número de disléxicos no país: cerca de 1%, apenas.