Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail bruno.vaiano@abril.com.br.

Onde aconteceu o Big Bang? Estamos longe do epicentro?

O Big Bang aconteceu em lugar nenhum e em todos os lugares. Parece Raul Seixas, mas é física.

Por Bruno Vaiano Atualizado em 30 ago 2021, 11h11 - Publicado em 11 nov 2020, 12h30

O Big Bang aconteceu em lugar nenhum e em todos os lugares. Parece Raul Seixas, mas é física.

Vamos começar explicando o “lugar nenhum”: todo o espaço que existe está contido dentro do Universo. Antes do Universo surgir, havia uma ausência não só de coisas para ocupar um espaço vazio, mas a ausência do próprio espaço vazio.

É errado imaginar o cosmos como algo que cresce para ocupar um espaço maior em seu entorno, como um balão que infla dentro de uma sala. Porque não existe sala. O único espaço que existe é o espaço que o próprio balão cria conforme se expande.

  • Agora, vamos para a parte do “todos os lugares”. Imagine que você colou várias moedas na superfície do balão. As moedas são as galáxias, o balão é o Universo. Conforme você infla o balão, as moedas se afastam entre si a uma taxa fixa. Qualquer um que esteja em uma moeda qualquer verá todas as outras moedas se afastarem. Nenhuma delas está no centro.

    No imaginário popular, existe a ideia de que o Big Bang foi uma explosão. Algo que disparou detritos para todos os lados a partir de um ponto central. Na verdade, ele foi só uma expansão extremamente rápida, e qualquer um, de sua perspectiva particular, está no “centro” dessa expansão – pois vê tudo que esta ao redor se afastar. 

    Conforme o Universo se expandiu, seu conteúdo pôde passar de um estado extremamente comprimido e aquecido para o estado que conhecemos hoje. Nas condições extremas de pressão e temperatura que ocorriam no Universo primordial, a formação dos átomos como conhecemos não teria sido possível, por exemplo. Ele se manteriam fragmentados em partículas subatômicas.

    Pergunta da repórter Maria Clara Rossini.

    Fonte: Juliano Neves, físico, UFABC.

    Continua após a publicidade
    Publicidade