GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Por que advogados e médicos são chamados de doutor mesmo sem doutorado?

Por que gente formada em direito e medicina é chamada de “doutor” mesmo sem ter doutorado?
José Olimpo, Rio de Janeiro, RJ

Me invocar faz você mais douto, Zé Olimpo. “Doutor” vem do latim doctor, que significa “mestre, o que ensina”. Até meados do século 11, designava quem dominava uma área do conhecimento, como professores e teólogos.

Com a fundação das primeiras universidades na Europa, no fim do século 11, passou a distinguir quem tinha um título acadêmico e estava habilitado a ensinar. Chamar médico e advogado de “dotô” é coisa do Brasil colonial, quando filhos de ricos iam estudar fora do país.

Veja também

Em 1827, um decreto de D. Pedro 1º, criando cursos de Ciências Jurídicas e Sociais no Brasil, dizia que os formados na área deveriam ser tratados como “doutores”. Já em Portugal, qualquer um com curso superior pode ser chamado de doutor.

Fontes: Dicionário Houaiss, Cláudio Moreno, linguista e Elisa Battisti, da UFRGS.

Post anterior: Por que os links da internet são azuis?

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Eduardo Costa

    Por que médicos e advogados são chamados de “doutor”? A resposta a essa pergunta é simples: Em quase todo o mundo, médico é realmente doutor. Explicando melhor: Suponhamos que você queira ser médico e estudar em Harvard. Para começar, você precisa fazer uma faculdade qualquer. Vamos imaginar que você resolva estudar artes engenharia mecânica, no MIT. Note que o MIT é vizinho de Harvard, na cidade de Cambridge, Massachusetts. Depois de terminar engenharia mecânica, você faz um exame chamado MCAT, acrescenta a média das notas no seu curso de engenharia (Grade Point Average) e, se o resultado for muito bom, é admitido em Harvard para conseguir seu M.D. (Medical Doctor). É um curso de doutorado como outro qualquer. Harvard vai dar-lhe a oportunidade de fazer, ao mesmo tempo, seu PhD (Philosophiae Doctor). Então, o título de M.D. (Medicinae Doctor) é dado a quem fez o doutorado em medicina. Muita gente com M.D. também faz PhD. Para fazer a universidade básica (a faculdade que o americano que quer entrar em medicina faz antes de ir para a Medical School), o americano estuda 4 anos e obtém o título de B. S. (Baccalaureus Scientiae). Depois que termina o M.D. recebe o título de Doutor. Faz então dois anos de medicina interna e pode começar a trabalhar. Em suma, os americanos estudam 10 anos para ser médicos e doutores. Os brasileiros fazem um curso de 6 anos, seguido de dois anos de residência em medicina interna, o que dá oito anos. A medicina interna, no Brasil, é chamada Clínica Médica. Então, um brasileiro que queira trabalhar nos Estados Unidos fica, basicamente, devendo dois anos. Os americanos consideram que o brasileiro pode trabalhar nos Estados Unidos se fizer um exame, chamado USMLE, seguido da repetição da Medicina Interna. Com isso, o brasileiro também completa 10 anos e pode trabalhar como médico. Com o advogado acontece a mesma coisa. Claro que, no Brasil, há pessoas que não terminam a residência e, portanto, não poderiam ser chamadas de doutor. Se você quiser, pode chamar essas pessoas de atendente ou bacharel. Mas quem termina a residência deve ser chamado de doutor pois é assim reconhecido em países onde o doutorado é exigido para exercer a medicina.

    Curtir

  2. Renata Cristina

    No Brasil, como quase sempre, o próprio povo busca meios de discriminar, ou, referenciar uma superioridade velada, até muitas vezes escrachada, que busca fazer distinção sobre outras pessoas, apenas com intuito de obter status. Sociedade totalmente invertida e contraditória, que enaltece a ignorância da maioria, para que estes continuem a baixar a cabeça para uma minoria, dessa forma, nunca permitindo uma sociedade mais igualitária, coerente com a lei e com a honra, onde se julga ou enaltece como as coisas e pessoas realmente são. Muitos buscam defender com todas as forças um título que não lhe cabem, negando inclusive, seu significado, origem e finalidade, pois, acham que ao perder esse “tratamento”, irá desmerecer seus estudos e se “igualar” aos demais, deixando sua “superioridade” abalada. Há ainda , aqueles que argumentam , “Em muitos países médicos são chamados e doutor”… Certo! e mais uma vez o texto acima está bem claro , sobre como se originou este título, com as primeiras universidades e quem as tinham com o intuito de distinguir quem iria ensinar e quem apenas possuía um título acadêmico , contudo, como nessa época quem tinha título acadêmico ou quem era mestre, eram poucos, aos olhos da maioria então todos eram “doutores”, pois estes, ignorantes, não saberiam diferenciar a função de uns ou de outros, assim, em muitos lugares, o “doutor”, costumeiramente ,ainda está destinado aos que fazem curso superior, em qualquer área d formação. Daí então, veio a modernidade e facilitação do conhecimento, “outros países” , como muitos destacam, viram que não seria cabível que fossem tratados de uma forma “costumeira” , imposta a anos atrás por pessoas que não detinham o conhecimento sobre o significado das palavras, dessa forma então, para não perder “costume” intitulado, buscaram especializar-se para obter um certificado de “Medicinae Docto” Doutor EM MEDICINA, ou seja, é uma exigência para obter esse “título” , onde inclusive é bem claro, “em medicina”, e não como um simples pronome de tratamento, como aliás , é “exigido” culturalmente no Brasil, sem qualquer especialização voltada para esta certificação. Pensando bem, se simplesmente for julgar por anos de estudo na graduação + especialização, este “tratamento caberia a muitos outros profissionais, que dedicam seus anos de vida especializar-se em suas áreas de atuação, com diversas especializações e mais formações”, sem adquirir esse traimento, salvo, se dentre essas formações estiver o “Doutorado”. Mas afinal, se não está habilitado a ensinar, não defende tese, não tem como “regra” nenhuma exigência anterior,Pra que mesmo é utilizado esse “tratamento” em graduados em medicina (e outras áreas da saúde)ou advogado? Se este não for apenas e unicamente com o intuito de diferenciar uma posição de status de uns e rebaixar os demais?

    Curtir

  3. Jairo Antunez

    Parabéns Renata você foi simplesmente brilhante!!!

    Curtir