Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail bruno.vaiano@abril.com.br.

Por que é tão difícil tirar fotos da Lua com um smartphone normal?

Nosso satélite ocupa uma área muito pequena do céu noturno e tem uma luminosidade muito alta em relação ao seu entorno. Mas calma: tem jeito.

Por Carolina Fioratti, Bruno Vaiano 15 abr 2021, 20h02

A Lua parece grande, mas na verdade ocupa uma área minúscula do campo de visão, que o celular traduz fielmente na tela. Câmeras com zoom óptico e lentes de longa distância, as teleobjetivas, contornam esse problema. É assim que os fotógrafos profissionais fazem cliques tão bons do céu. É possível adquirir teleobjetivas para acoplar às câmeras de certos modelos – já deixamos avisado que a lente, além de custar algumas centenas de reais, é maior que o próprio smartphone.

Além do tamanho, há o problema da luminosidade. Nosso satélite natural é muito mais iluminado que o céu ao redor. Quando a regulagem automática do celular opta por deixar entrar pouca luz, os detalhes na superfície da Lua ficam bem definidos, mas o resto some. Com muita luz, as outras coisas no enquadramento aparecem, mas o satélite vira um borrão.

  • Smartphones mais sofisticados permitem que você regule a abertura para luz (determinada por uma peça chamada diafragma) – bem como o ISO, uma sigla que se refere à sensibilidade da CCD, a peça que capta a luz. Um ISO menor evita imagens granuladas. Na maior parte dos aparelhos, porém, a regulagem é automática, e não se dá muito bem com o céu noturno.

    A luz das estrelas, por sua vez, é extremamente tênue. Para captá-la, não só é necessário abrir o diafragma um bocado como também permitir que a luz passe um bom tempo entrando na câmera (esse é o tempo de exposição, ou shutter speed, que é determinado por uma peça chamada obturador). Quanto maior o tempo de exposição, mas importante se torna o tripé, que mantém o aparelho estável para não borrar suas constelações.

    Pergunta de @izabela_cristine_, via Instagram.

    Fontes: Zoltan Levay, fotógrafo especializado em céu noturno, Ricardo Matsuzawa, da Universidade Anhembi Morumbi.

    Continua após a publicidade
    Publicidade