Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

A gaiola dos loucos

Assim, um urso polar que fica dando voltas na jaula estaria convencido, depois de algumas horas, de que caminhou quilômetros no gelo ártico.

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h34 - Publicado em 31 out 2002, 22h00

Marcos Nogueira

Animais presos em jaulas de zoológico, gaiolas de laboratório e estábulos podem estar ficando malucos. Quando confinados, eles costumam desenvolver comportamentos repetitivos, como andar de um lado para o outro do cercado ou se jogar contra as grades em intervalos regulares de tempo. A maioria dos cientistas julga que essas atitudes esquisitonas não têm nada de mais. Elas seriam uma forma de alívio para o tédio da vida em cativeiro, ou ainda uma tentativa do animal de adaptar à vida dentro da jaula as atividades que tomariam seu tempo no ambiente natural. Assim, um urso polar que fica dando voltas na jaula estaria convencido, depois de algumas horas, de que caminhou quilômetros no gelo ártico.

Não é o que pensam os pesquisadores Georgia Mason, da Universidade de Oxford, na Inglaterra, e Joe Garner, da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos. Eles suspeitam que os animais adotam atitudes repetitivas porque o confinamento contínuo acarreta uma pane em seus cérebros. Em humanos, tal comportamento é conhecido por estereotipia, que se manifesta em pelo menos 36 doenças mentais, entre elas a esquizofrenia, a síndrome de Tourette – que causa os tiques nervosos mais comuns – e o autismo.

Os portadores de estereotipia são incapazes de alterar uma rotina consolidada, vivem no piloto automático. Uma pessoa normal vai vasculhar o armário se descobrir que suas meias não estão na gaveta onde sempre estiveram; o estereotípico pode passar o resto da vida procurando as meias no mesmo lugar. “É como se um circuito estivesse queimado”, disse Georgia Mason à revista inglesa New Scientist. Ela está certa de que o mesmo pode ocorrer em animais cativos.

Talvez os problemas não estejam só no encarceramento, mas no fato de os animais estarem o tempo todo sendo observados pelas pessoas. Portadores de estereotipia costumam se sentir frustrados com o próprio comportamento, mas, segundo Georgia Mason, eles talvez só estejam constrangidos por estar agindo de maneira estranha na frente de psicólogos de jaleco branco. “Se ninguém vigiasse suas atitudes, quem sabe essas pessoas não se sentissem tão mal, nem tão ansiosas. Algo semelhante pode estar acontecendo com os animais”, afirma.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)