Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

O acelerador de partículas voltou – e os animais que o sabotam também

O LHC foi religado para euforia da comunidade científica, mas um bicho novamente danificou a rede elétrica da maior máquina do mundo

Por Pâmela Carbonari Atualizado em 31 out 2016, 19h03 - Publicado em 2 Maio 2016, 23h30

Depois de uma pausa durante o inverno, o LHC (Grande Colisor de Hádrons), conhecido por revelar o bóson de Higgs, foi religado no dia 25 de março para entusiasmo (e ansiedade) da comunidade científica. Conhecido por revelar o bóson de Higgs, o acelerador voltou à ativa e promete produzir novos dados sobre bósons, férmions e outras partículas elementares.

No LHC, os cientistas tentaram criar condições semelhantes às que existiam na época do Big Bang em que as partículas são aceleradas ao nível mais alto de energia já atingido. Não à toa, o poder sem precedentes do LHC transformou a física nos últimos anos. Construído pelo Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (CERN) ao longo de 27 km de extensão na fronteira da França com a Suíça, o acelerador de partículas é o maior, mais complexo e mais caro instrumento científico já feito – seu orçamento ultrapassou os US$ 7,5 bilhões. E agora, depois da descoberta da “partícula de Deus”, como o bóson de Higgs ficou conhecido, a expectativa de novos resultados promete justificar ainda mais o investimento – o objetivo para este ano é produzir seis vezes mais colisões de partículas que em 2015, segundo o CERN.

LEIA: A partícula de Deus

No entanto, o LHC foi temporariamente desligado na sexta-feira (29/4), por causa de uma fuinha. O animal roeu um cabo de alta tensão de um transformador e levou um choque de mais de 66 mil volts – ela morreu na hora e sobrou pouco do corpo para contar história. Mas o lanchinho da fuinha fez a energia elétrica do acelerador de partículas cair e vai atrasar por alguns dias a coleta de dados do LHC.

Essa não é a primeira vez que bichos atrapalham o experimento – existem, inclusive, teorias que afirmam que os animais tentam impedir a humanidade de descobrir os segredos do Universo. Em 2009, antes mesmo de encontrar o bóson de Higgs, uma pomba se meteu no caminho dos cientistas. Como se não bastasse o atraso inaugural do LHC, que por uma falha na soldagem estreou com mais de um ano de atraso, o pássaro deu uma atrasadinha a mais. Ao sobrevoar o acelerador de partículas, a ave largou um pedaço de pão que atingiu um transformador elétrico e paralisou dois setores da maior máquina do mundo.

LEIA TAMBÉM:
– 
Cientistas do LHC descobrem nova partícula
– LHC, depois da festa vem o quê?​
Por que o acelerador de partículas é tão grande?

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês