Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

População de tartarugas marinhas aumentou no mundo todo

Nos últimos 16 anos, a maior parte das espécies do réptil se recuperou – e o risco de extinção, embora ainda alto, caiu muito

Por Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 11 mar 2024, 16h20 - Publicado em 27 set 2017, 14h47

Segundo a estimativa mais conservadora da ONG de conservação ambiental WWF, algo entre 200 e 2 mil espécies são extintas todos os anos – o suficiente para atribuir à ação humana o sexto e mais recente fenômeno de extinção em massa da história da Terra (o último, como você deve imaginar, é o meteoro que acabou com os dinossauros).

No meio dessa devastação toda, porém, os ativistas podem se orgulhar de uma vitória: a população de tartarugas marinhas, afirma um artigo científico publicado hoje na Science, aumentou em quase todos os lugares do mundo nos últimos 15 anos. Para chegar à conclusão, foram analisadas 299 planilhas geradas por instituições e fundos de preservação, que continham ao todo 4417 estimativas anuais sobre a quantidade desses animais nas praias e mares de todos os continentes. Foram identificadas 95 áreas de preservação de tartarugas em que os números subiram, contra apenas 35 em que a quantidade de animais diminuiu.

De acordo com o Projeto Tamar, das sete espécies de tartaruga que existem no mundo, cinco ocorrem no Brasil: cabeçuda (Caretta caretta), de couro (Dermochelys coriacea), oliva (Lepidochelys olivacea), verde (Chelonia mydas) e de pente (Eretmochelys imbricata). Quando as estatísticas acima são separadas por espécie, o sucesso das iniciativas de conservação varia. A verde, por exemplo, está prosperando até em praias que não são tradicionalmente pontos de reprodução. Segundo o The New York Times, entre 1973 e 2012 o número de ninhos de Chelonia mydas na barra de French Frigate, no Havaí, aumentou de 200 para 2 mil. As de couro, por outro lado, ainda estão declinando no Pacífico, mesmo apesar da melhora relativa em outros lugares.

No caso específico das tartarugas marinhas, análises históricas abrangentes são mais valiosas que o acompanhamento ano a ano. Por causa do comportamento natural desses répteis, o número de ninhos e ovos flutua muito em intervalos pequenos – só observando os gráficos de longe é possível perceber que, mesmo apesar de quedas pontuais, em média a população aumentou em um determinado período. Os esforços de preservação das tartarugas são especialmente difíceis, de acordo com o artigo científico, graças a sua distribuição geográfica imprevisível – elas nadam e se reproduzem no mundo todo. “É mais difícil reverter quedas na população de grupos mais amplamente distribuídos – ou seja, espécies migratórias – que estão em risco de extinção.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.