Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Bruno Garattoni

Por Bruno Garattoni
Vencedor de 15 prêmios de Jornalismo. Editor da Super.
Continua após publicidade

Surto de H5N1 em mamíferos desperta receio de nova pandemia

Vírus da gripe aviária infectou visons na Espanha, onde 50 mil animais tiveram de ser sacrificados; mutação facilitou a transmissão do H5N1 entre mamíferos e pode representar risco ao ser humano, revela estudo

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 27 jan 2023, 14h58 - Publicado em 27 jan 2023, 14h42

Vírus da gripe aviária infectou visons na Espanha, onde 50 mil animais tiveram de ser sacrificados; mutação facilitou a transmissão do H5N1 entre mamíferos e pode representar risco ao ser humano, revela estudo

O influenza H5N1 é um vírus, detectado pela primeira vez na China em 1996, que causa um tipo de gripe aviária conhecida como HPAI (“influenza aviária de alta patogenicidade”, em inglês). Ele é facilmente transmissível entre galinhas e outros tipos de ave, inclusive silvestres. Mas seu principal foco são as fazendas de criação de frangos, que de tempos em tempos registram grandes ondas da doença. Nos EUA, nada menos do que 58 milhões de aves foram infectadas nos últimos 12 meses – superando a segunda maior epidemia, que ocorreu em 2015 e matou 50,5 milhões delas. 

As aves podem transmitir o vírus para humanos, mas isso não é comum: os casos de H5N1 em pessoas são relativamente raros (houve 868 no mundo durante as últimas duas décadas), e costumam ocorrer em pessoas que tiveram contato direto com aves infectadas. Não há, o mais importante, transmissão sustentada entre humanos. Porém, no futuro, isso pode acontecer. 

É o que sugere um estudo recém-publicado por cientistas europeus, que analisaram um surto de H5N1 numa fazenda de vison na Espanha. O vison (Neovison vison) é um mamífero que costuma ser criado para uso em casacos de pele. Durante o surto, que ocorreu em outubro do ano passado, 51.986 visons mantidos na fazenda tiveram de ser sacrificados para evitar a propagação do H5N1. 

Continua após a publicidade

Os pesquisadores descobriram que o vírus havia sofrido oito mutações. Uma delas ocorreu em um gene chamado PB2, e é a responsável por torná-lo mais transmissível entre mamíferos. Essa mesma mutação está presente no vírus da gripe suína, o H1N1 – que causou uma pandemia em 2009, quando infectou 500 mil pessoas e matou 20 mil. 

Por isso, cientistas temem que o mesmo possa ocorrer agora – e o H5N1, turbinado com essa mutação, possa começar a se espalhar entre humanos. “Isso é incrivelmente preocupante. É um claro mecanismo para começar uma pandemia de H5”, disse o virologista inglês Tom Peacock, da Imperial College London, à revista Science

O H5N1 “clássico” é altamente letal em frangos e galinhas, levando à morte em 90% a 100% dos casos. Em humanos, a taxa de mortalidade é de 53%: daqueles 868 casos registrados, 457 pessoas morreram. 

Continua após a publicidade

Mas esse número quase certamente está superestimado, por duas razões. O pequeno número de casos (que geralmente infla a letalidade de qualquer doença), e a alta “dose viral” inalada pelas vítimas – que trabalhavam em fazendas com centenas de milhares de aves. Um estudo do governo canadense, que tentou estimar a real letalidade do H5N1 em humanos, fala em 14% a 33%.

Porém, isso considera o H5N1 clássico. Em tese, a mutação que tornou o vírus mais transmissível também pode afetar sua letalidade, para mais ou para menos. O surto nos visons da fazenda espanhola foi descoberto porque eles começaram a morrer – mas, como os 50 mil animais foram rapidamente sacrificados, não é possível calcular a real taxa de mortalidade da doença. 

Existem vacinas contra o H5N1, tanto para uso em aves quanto em humanos. Há pelo menos oito delas, que foram desenvolvidas ao longo dos últimos 15 anos e autorizadas na Europa, nos EUA e em outros países. Elas se baseiam em cepas antigas, e talvez precisassem ser reformuladas para enfrentar uma pandemia causada pela nova variante do vírus – mas não necessariamente.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.