Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

O vento levou as chuvas cedo demais

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h48 - Publicado em 31 Maio 1998, 22h00

Parece estranho, mas o maior culpado pela seca do Nordeste – a pior dos últimos quinze anos – pode não ser o El Niño no Oceano Pacífico. O problema talvez esteja no Oceano Atlântico. Em geral, são as aragens atlânticas que trazem chuva ao Nordeste. Elas caem entre fevereiro e maio, trazidas pelos ventos úmidos do Atlântico. Só que, este ano, alguma coisa deu errado: por algum motivo, o ar parou de soprar no início de abril e adeus, chuvas. Em 1998 não chove mais no Nordeste. “Com os açudes secando, a situação ainda pode piorar”, prevê Carlos Nobre, chefe do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos, em Cachoeira Paulista, São Paulo. Veja ao lado como os ventos ressecaram o sertão.

Bons ares que trazem chuva

As nuvens levam chuva às regiões ao redor.

Para formar as nuvens, as correntes se chocam e, aquecidas pela água do oceano, sobem, carregando a umidade.

• ventos do norte

• água aquecida

• ventos do sul

O que provoca a seca

As brisas úmidas passam só uma vez por ano pelo Nordeste.

1. Entre junho e janeiro

O mar no hemisfério norte está quente e os ventos se encontram no Caribe. Lá chove, mas no Nordeste é tempo de estiagem.

Continua após a publicidade

2. De fevereiro a março

O verão no hemisfério sul aquece o mar. Os ventos passam a se encontrar perto do Brasil. Começa a chover no Nordeste.

3. Na maioria dos anos

Em abril, os ventos chegam ao Maranhão. Em maio começam a voltar para o norte. São os últimos meses de chuva no Nordeste.

4. Em 1998, a seca precoce

O ponto de encontro dos ventos volta para o norte mais cedo, em abril, encurtando o período de chuvas no Nordeste. É a estiagem.

Continua após a publicidade
Publicidade