GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

10…9…8…7…6…5…4…3…2…1 Supermanual da virada

Tudo o que você precisa saber para chegar bem informado ao último réveillon dos 1900.

André Santoro Ivonete D. Lucirio

Mesmo consciente de que no dia 31 não vai acontecer uma virada do milênio – que só termina no final de 2000 –, você tem que admitir: não será uma passagem comum. Afinal, como diz um personagem do filme O Primeiro Dia, de Walter Salles Júnior e Daniela Thomas, os três nove vão virar zero e o um se torna dois. O número redondo mexe tanto com a cabeça das pessoas que despertou uma acirrada disputa entre dois mínimos arquipélagos vizinhos no Pacífico, Chatham e Kiribati.

Uma conferência internacional realizada em Washington, nos Estados Unidos, em 1884, definiu uma linha que cruza o planeta de norte a sul, passando pelo observatório de Greenwich, na Inglaterra. Ela divide a Terra em leste e oeste. A continuação desse divisor, no outro lado do globo, atravessa o Oceano Pacífico e é chamada de meridiano 180. Sobre ele foi traçada a Linha Internacional de Data, que determina a hora zero, ou seja, onde acaba um dia e começa o outro. Se fosse na Europa, a França, ficaria 24 horas atrás da Inglaterra. Imagine que tragédia para o orgulho francês. O problema é que a decisão de 1884 só transferiu o conflito. Agora Kiribatti vai entrar no ano 2000 um dia inteiro depois de os vizinhos de Chatham terem deixado os 1900, o que está levando os kiribatianos à beira de um ataque de nervos. Essa é uma das tantas curiosidades deste revéillon especial que você vai conhecer nas próximas páginas.

asantoro@abril.com.br

ilucirio@abril.com.br

Algo mais

São Silvestre – que emprestou seu nome à maratona realizada no último dia de cada ano em São Paulo – foi um papa. Ele governou a Igreja de 314 a 335, quando morreu na noite de 31 de dezembro.

Pronto para a loucura

Veja o check list do que você não pode esquecer para aproveitar a festa.

Riqueza escondida

Mesmo que você não seja supersticioso, use roupa branca, uma tradição do candomblé que virou mania nacional. Se quiser prosperidade, vale uma peça íntima amarela, a cor de Oxum, orixá da riqueza.

Líquidos salvadores

Para a ressaca, a solução é tomar bebidas com sais minerais, tipo Gatorade. Comprimidos que protegem o fígado – como o Zilion ou o Forpen –podem ajudar, se a farra for mais séria.

Precaução dupla

Especialistas em informática garantem que o bug do milênio já era e não vai acontecer nada. Mas, se você é tipo supercauteloso, tire seu extrato bancário no dia 31 e deixe uma lanterna à mão.

Primeirão verde-amarelo

O primeiro raio de sol em toda a América Latina vai aparecer em Ponta do Seixas, João Pessoa, na Paraíba, por volta de 5h20 do dia 1 de janeiro.

Falta pouco

O relógio countdown (contagem regressiva) marca quantas horas, minutos e segundos faltam para a virada. Pode ser comprado pela Internet no endereço countdown.com por 24,95 dólares.

Espírito alimentado

Há uma batelada de bons livros sobre milenarismo e história do calendário. Uma boa dica é Calendário, de David Ewing Duncan (Ediouro, 35 reais).

O atlas do réveillon

O que vai acontecer de superinteressante no planeta em 31 de dezembro de 1999.

Cabra de sorte

O primeiro ser vivo em terras brasileiras a ver a luz em 1º de janeiro pode ser um bode. Ele estará na ilha vulcânica de Martins Vaz, a 1 100 quilômetros da costa, protegida pela Marinha e fechada para visitação. Os únicos moradores são modestos rebanhos de cabras. Para o turista, sobra o consolo do arquipélago de Fernando de Noronha, onde o pedaço de terra mais a leste é o morro da Pontinha. No continente, o primeiro lugar de toda a América Latina a receber os raios de sol no ano 2000 é a Ponta do Seixas, em João Pessoa, na Paraíba.

Segunda chance

Há paraibanos com mais motivos do que o primeiro raio de sol para aguardar com ansiedade a virada do ano. São os adeptos da seita Borboletas Azuis, que já previram o final do mundo em 13 de maio (dia de Nossa Senhora de Fátima) de 1980. Como o mundo continua girando, agora estão mais otimistas. Esperam para o ano 2000 o início de uma grande onda de paz espiritual.

Êxtase inglês

A cidade de Greenwich, próxima a Londres e sede do Observatório Real (fundado no século XVII), foi escolhida como o ponto de encontro entre o leste e o oeste. Daí partem os meridianos da Terra. Foi construída lá a Cúpula do Milênio, um espaço que abrigará exposições e as festas do final do ano. Será um réveillon com show do roqueiro Peter Gabriel.

Badalada romana

Anfitriã da festa em Roma, a Igreja Católica instalou na Catedral de São Pedro um sino do jubileu com 6 metros de circunferência e 5 toneladas. O som será ouvido num raio de 5 quilômetros de distância e o primeiro a tocá-lo será João Paulo II, à meia-noite de 31 de dezembro.

Local explosivo

A planície em frente ao Monte Meguido, no norte de Israel, foi um dos maiores campos de batalha da Antiguidade. Por isso, a Bíblia, no Evangelho de São João (Revelação, 16:16), localizou lá o Armagedon, local do suposto combate entre o Bem e o Mal no fim dos tempos. Agora, as autoridades israelenses dobraram a segurança no monte. Eles temem que seitas milenaristas realizem cerimônias apocalípticas no lugar (veja na página 58).

Um lugar, duas datas

A Royal Geographical Society, de Londres, que fixou a Linha Internacional de Data, em 1884, dividiu ao meio as 33 ilhas da República de Kiribati, perto da Nova Zelândia. Assim, parte do país estará no sábado dia primeiro de janeiro de 2000, enquanto a outra ainda ficará um dia inteiro na sexta, 31 de dezembro de 1999. Em 1995, o país exigiu, sem sucesso, o desvio da linha para caber todo no mesmo dia, o que garantiria o título de ser primeiro a entrar no 1º de janeiro. O problema deles é que, na situação atual, o Arquipélago de Chatham, da Nova Zelândia, está mais próximo da linha e, oficialmente, receberá o primeiro raio de sol do ano, às 3h59 da manhã.

24 bis

O navio americano Galax Sea vai para o Pacífico para comemorar dois réveillons (o primeiro e o último do planeta). Atravessando a Linha Internacional de Data de oeste para leste pouco depois da meia-noite, o barco pegará uma segunda passagem 24 horas depois. Partindo dessa linha, no sentido contrário, seria possível passar 24 réveillons (um por fuso) dentro de um avião. Ele teria de voar a 2 000 quilômetros por hora, distância entre dois fusos. O Concorde consegue, mas ninguém planeja fazer isso.

Fim da confusão

Até o século passado era complicado dizer onde começava um dia. Ele poderia começar em horários diferentes em cada local onde o sol nascia. A confusão acabou em 1884, quando a Conferência Internacional dos Meridianos, nos Estados Unidos, determinou a medição dos fusos: o dia no planeta começaria nas Ilhas Chatham, na Nova Zelândia, situadas no lado oposto no globo ao Observatório Real de Greenwich, perto de Londres, que marca o meridiano zero.

Fora da festa

Para os cristãos ocidentais a entrada do próximo ano é uma das datas mais marcantes da História. Mas dois em cada três seres humanos não são cristãos. Exemplos: os chineses comemoram o ano-novo em 5 de fevereiro, os judeus estarão no ano 5 760 e os muçulmanos no 1 420 (leia a reportagem Por que 2 000?, na página 30).

O endereço preferido pelas seitas

O ano 2000 tem estimulado a imaginação de religiosos em todo o mundo e criado um problema grave para Israel, país que abriga o maior número de locais citados na Bíblia. As autoridades temem que ocorra um banho de sangue promovido por seitas religiosas que, adeptas do milenarismo, acreditam que podem ocorrer em datas cheias – e o próximo ano é a primeira desde o ano 1000 – um evento divino, promovido pelo próprio Cristo ou a mando dele, que alterará de forma radical a existência das pessoas no planeta.

É natural que se pense que o endereço para esse evento extraordinário seja Israel. Por isso, as três forças policiais israelenses (polícia, Exército e serviço secreto) promoverão uma ação conjunta na chegada do ano-novo. Um dos endereços mais visados pelos milenaristas é a planície em volta do Monte Meguido, importante rota comercial da Antiguidade e que, por isso, foi palco de diversas batalhas sangrentas. O local é tido pelos estudiosos das religiões como o que originou a palavra que significa, metaforicamente, o final dos tempos, armagedon (har significa monte, em hebraico, e magedon seria o mesmo que Meguido). Diversas seitas milenaristas pensam em se dirigir para lá neste réveillon.

Suicídio coletivo

Uma delas é a americana Filhos da Oração, da qual doze membros, todos americanos, foram presos em outubro passado e deportados de volta aos Estados Unidos. Abrigados em uma aldeia palestina, eles planejavam suicídio coletivo na virada do ano, acreditando que não haveria mais utilidade em seus corpos terrestres depois dessa data. Outra seita americana, sediada na cidade de Denver, a Cristãos Aflitos, também teve oito membros expulsos de Israel em janeiro porque planejavam outro suicídio coletivo, nas ruas de Jerusalém, no último dia deste ano.

Para saber mais

Na Internet: http://www.mille.org

De onde vieram as crendices

A origem de algumas das superstições brasileiras mais comuns na virada do ano.

A cor de Oxalá

Quem vestir branco terá paz. O costume vem da cor da roupa de Oxalá, divindade máxima do candomblé, equivalente a Jesus Cristo no Catolicismo. Neste ano uma coincidência alegrará os crentes: a véspera de ano novo cai numa sexta-feira, dia preferido para a evocação de Oxalá.

Sementes da união

Para haver união e prosperidade, mastigue à meia-noite três sementes de romã, jogue outras três para trás e guarde três na carteira. As sementes simbolizam a união porque aparecem sempre em grande quantidade e são muito grudadas entre si. A superstição remonta aos tempos de Salomão (século X a.C.), considerado o maior dos reis de Israel.

Mar de sorte

Assim que entrar o ano-novo, se você estiver em alguma praia, pule sete ondas para ter sorte. Um caso de influência da umbanda. O sete é um número cabalístico para os umbandistas e a maré boa seria proporcionada por Iemanjá, senhora do mar. Também é sete o número dos ritos de iniciação nos terreiros.

Ricas verdinhas

Preparar lentilha traz riqueza. A superstição vem da história bíblica dos irmãos Esaú e Jacó. Esaú chega em casa após um dia de trabalho árduo no campo e sente um cheiro delicioso de um ensopado de lentilhas feito por Jacó, que propõe ao irmão trocar um prato da comida pelo direito de ser o primogênito. Esaú aceita o trato. Moral da história: fazer lentilhas traz sorte.

Fila espacial

Marte, Saturno, Júpiter, Vênus, Mercúrio e a nossa lua se alinharão com o Sol no dia 5 de maio. Como os planetas estarão atrás do Sol, o evento não tem grande importância para os astrônomos porque não é observável. Já os astrólogos acham que nessa posição os astros terão uma influência incomum sobre a Terra.

Algo mais

No dia 31, a Lua estará minguante. Há um rumor de que uma suposta empresa americana, que teria uma parceria com a Nasa, projetaria nela imagens com raios laser no satélite. Embora seja tecnicamente viável, tudo não passa de um boato, segundo David Bohlin, diretor de Pesquisas da Nasa.

Combustível perigoso

Aquela taça de champanhe borbulhante que surge poucos minutos depois da meia-noite tem um longo caminho pela frente depois que você a bebe. É bom conhecer esse circuito para evitar as suas armadilhas.

A bebida não faz escala no estômago. Passa direto e vai para o duodeno, que o liga ao intestino, e entra no sangue. Mas o seu trajeto estomacal fica lento quando a barriga está cheia. Por isso se diz que é bom comer antes de tomar bebidas alcoólicas: quanto mais demora para cair na corrente sanguínea, menos afeta o cérebro. No duodeno o etanol – tipo de álcool presente nas bebidas fermentadas e destiladas, como o champanhe – é absorvido e se espalha pelo corpo todo.

Ao perceber tanto champanhe passeando pelo organismo, o fígado arregaça as mangas e começa a lançar algumas enzimas que vão destruir o etanol. Sob o ataque figadal, ele vai ser transformado primeiro em substâncias como o acetaldeído, extremamente tóxico, e depois em coisas totalmente inofensivas que não deixam ninguém bêbado, como água e gás carbônico.

Quando o corpo consegue se livrar de toda a bebida consumida, vem a ressaca, um conjunto de sintomas que conhecemos muito bem. O gosto de cabo de guarda-chuva é causado pela irritação da mucosa do estômago quando a bebida passou por lá. O álcool também dilata os vasos, causando a dor de cabeça, e desidrata, deixando o folião sedento na manhã seguinte. Por tudo isso, convém moderar no champanhe.

Caminhos do álcool

Os efeitos da bebida no seu corpo.

Cérebro encharcado

O etanol atrapalha os neurônios e deprime o sistema nervoso central. O efeito vasodilatador persiste mesmo após a bebida ter sido completamente eliminada. É a dor de cabeça da ressaca.

Trabalho dobrado

O fígado não consegue se multiplicar em dois para dar conta de tanto trabalho. Ocupado com o metabolismo do álcool, o órgão deixa de jogar no sangue a glicose, que é nossa principal fonte de energia. O resultado é a sensação de fraqueza.

O rastro do beberrão

Dá para perceber de longe, pelo hálito, se alguém bebeu demais. Da corrente sanguínea, uma parte do álcool entra no pulmão através dos alvéolos e de lá sai junto com o ar que expiramos.

Ainda não acabou

Se você é do tipo que não se cansa de comemorar, lembre-se de que só no ano 2001 entramos no século XXI e no terceiro milênio. Além disso, o Centro para Estudos Milenares, da Universidade de Boston, prevê uma segunda comemoração de milênio pelo mundo cristão, no ano de 2033, por conta do aniversário de morte de Jesus Cristo.