Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Qual é a origem do dízimo?

A cobrança existe desde a Antiguidade, quando muita coisa podia ser usada como dinheiro

Por Marcel Verrumo Atualizado em 10 fev 2017, 19h48 - Publicado em 19 nov 2012, 22h00

O dízimo existe há muito mais tempo que o cristianismo. Templos no antigo Egito, Grécia e Roma, por exemplo, cobravam tributos desde 1500 a.C. Eram doações de qualquer coisa que pudesse ser usada como dinheiro na Antiguidade, como animais, armas, frutas e água.

A Igreja Católica institucionalizou a cobrança no Concílio de Macon, em 585, estabelecendo a quantia de 10% das posses dos fiéis. Mas foi Carlos Magno, rei dos francos, que expandiu a prática: conforme alargava seu império no século 9, difundia a cobrança nas regiões conquistadas. Com o tempo, os governos entraram na jogada. “A Igreja permitiu reis a cobrarem o dízimo, mediante o compromisso de expandir a fé cristã”, diz Diego Omar Silveira, historiador da UFMG. Com a separação entre Igreja e Estado, a partir do século 18, o dízimo voltou a ser um tributo exclusivamente religioso.

Diz-me por que dizimas

Pagamento inspirou verbo “dizimar”

Roleta romana
O verbo dizimar, que hoje é sinônimo de exterminar, surgiu como uma punição do exército romano em caso de insurreição das tropas. O castigo era sanguinário. E estatístico. Ele consistia em matar um em cada dez soldados, aleatoriamente.

Por que 10%?
Além da mística envolvendo o número, usamos o sistema decimal, então é mais fácil dividir algo por dez do que por sete, por exemplo. Países islâmicos, que também usam o sistema, têm alguns ramos em que o dízimo é de 20%.

Caso de Morte
Na Igreja primitiva, o casal Ananias e Safira foi morto por esconder lucros que deveriam ser doados à comunidade. Não há casos assim só na Bíblia. Em 2010, no Maranhão, uma mulher matou os pais por eles não pagarem o dízimo.

 

Fontes: Diego Omar Silveira, historiador da UFMG; Eduardo de Quadros, professor de Ciências da Religião da PUC Goiás.

Continua após a publicidade
Publicidade