Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Sem “cura gay”: como Freud explica a atração entre pessoas do mesmo sexo

Saiba por que o pai da psicanálise foi moderno ao abordar a homossexualidade. Para o pensador, somos todos bissexuais.

Por Alexandre Carvalho Atualizado em 1 abr 2022, 22h46 - Publicado em 25 mar 2022, 14h26

Sigmund Freud mantinha um estilo de vida conservador. Proibiu sua esposa de trabalhar, era rígido quanto ao horário das refeições, não admitia palavrão e oferecia flores às mulheres – gardênias eram suas preferidas. Para manter a famosa barba sempre bem aparada, ia todos os dias, religiosamente, ao barbeiro. 

Mas esse conservadorismo todo era da porta da mente para fora. Pois o inventor da psicanálise foi libertário em muitas de suas teses ligadas à sexualidade. Inclusive à homossexualidade.

Achava, por exemplo, que a proposta de “cura gay” era uma aberração. Em 1935, escrevendo para uma mãe americana, que se lamentava por ter um filho homossexual, o Freud deu esta resposta, muito à frente do seu tempo: “Nada há nela [na homossexualidade] de que se deva ter vergonha; não é um vício nem um aviltamento, nem se pode qualificá-la de doença. (…) Diversos indivíduos sumamente respeitáveis, nos tempos antigos e modernos, foram homossexuais, e entre eles encontramos alguns dos maiores dos nossos grandes homens (Platão, Leonardo da Vinci etc.). É uma grande injustiça perseguir a homossexualidade como um crime, além de ser uma crueldade”. 

Esse homem de costumes tradicionais fez, no início do século passado, o que muitas sociedades do nosso tempo ainda não foram capazes: conferiu igualdade aos homossexuais em relação a seus pares héteros. “A investigação psicanalítica opõe-se com extrema determinação à tentativa de separar os homossexuais dos outros seres humanos, como um grupo particularizado.” 

Para se ter uma ideia de quanto sua perspectiva era avançada, foi somente em 1973, quase 40 anos após essa carta-resposta, que a Associação Americana de Psiquiatria finalmente retirou a homossexualidade da sua lista de transtornos mentais.

Segundo a biógrafa de Freud, a francesa Elizabeth Roudinesco, “o que lhe interessava de imediato não era valorizar, inferiorizar ou julgar a homossexualidade, porém compreender suas causas, sua gênese e sua estrutura, do ponto de vista de uma nova doutrina do inconsciente”. 

Continua após a publicidade

Somos todos bissexuais

Sigmund Freud considerava que a homossexualidade é uma consequência direta da bissexualidade inerente a todas as pessoas. Para ele, pelo menos no nosso inconsciente, somos todos bissexuais, e projetar uma personalidade homo ou heterossexual só depende de como a repressão atua na nossa mente. Homens héteros, por exemplo, reprimem o que há de feminino em sua vida psíquica; homens gays não.

Em suas elaborações, Freud buscou responder a uma questão que ainda provoca polêmica nos dias de hoje: por que, afinal, alguém é gay? Em 1920, ele chegou à conclusão de que, no caso dos homens, isso se estabelece no momento do indivíduo eleger seu objeto sexual (a pessoa por quem ele é atraído), quando então prevalece uma fixação infantil na figura da mãe – além de um sentimento de decepção com o pai. 

Um ano depois, em sua obra Psicologia das Massas e Análise do Eu, o pensador contextualiza a instauração da homossexualidade após a puberdade, mas ainda como reflexo de uma situação vivida na infância: o vínculo forte entre o menino e a mãe. Após as turbulências do complexo de Édipo, em vez de o garoto se aproximar da figura paterna, mantém o vínculo com a mãe – não mais como seu amante inconsciente, mas agora se identificando com ela. Transformando-se nela.

Compartilhe essa matéria via:

E as mulheres? Para Freud, algumas têm um “complexo de masculinidade” relacionado à sua polêmica tese da “inveja do pênis” (segundo a qual, meninas sofrem um golpe em seu amor-próprio quando percebem que nunca terão o membro que os meninos têm). Entre elas, umas não se conformariam com essa “castração” e fariam de conta, no inconsciente, de que também têm um pênis. Esse processo mental as levaria à homossexualidade ou a uma “vocação fálica”: querer assumir papéis tradicionalmente masculinos na sociedade. Como ser CEO de uma empresa (lembremos que Freud é um homem do século 19, quando as mulheres estavam a anos-luz das conquistas de direitos e oportunidades do século 21). 

Nas questões da sexualidade, Freud via tudo por um filtro masculino – era sua perspectiva “falocêntrica” da nossa vida psíquica. Segundo ele, um alto cargo numa multinacional, para muitas mulheres, é um pênis simbólico, que elas finalmente podem bater na mesa. 

* * *

Este texto é baseado em trechos do livro Freud Sem Traumas, escrito pelo próprio autor deste artigo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês