GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Além do Setembro Amarelo, que outros meses têm “cor”?

Associar cores a meses tem sido uma importante ferramenta para conscientizar a população sobre temas como câncer, transtornos mentais e doação de órgãos.

Associar uma “cor” a um mês mostrou-se uma boa ferramenta de marketing para disseminar informações sobre importantes questões de saúde. As campanhas do Outubro Rosa (contra o câncer de mama) e do Novembro Azul (contra o câncer de próstata) estão entre as mais bem-sucedidas, e inspiraram muitas outras.

Há meses com até quatro cores diferentes, de acordo com sua temática. Estes são os mais conhecidos no Brasil:

 (Samir Taiar/Mundo Estranho)

 

1. Janeiro branco

Tema: Saúde mental

A depressão afeta 322 milhões de pessoas no mundo e 11,5 milhões de brasileiros, segundo a OMS. Já os transtornos de ansiedade acometem 264 milhões (18,6 milhões no Brasil).

2. Fevereiro roxo

Tema: Alzheimer

Afeta memória e linguagem. Estima-se que, no mundo, 35,6 milhões de pessoas têm a doença e, no Brasil, 1,2 milhão,

Fevereiro laranja

Alerta para casos de leucemia, em que ocorre um acúmulo de células malignas na medula óssea – órgão responsável por produzir células sanguíneas. Segundo o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), a estimativa de novos casos para 2018 é de 10.800.

Veja também

3. Março lilás

Tema: Câncer do colo do útero

É a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil. Para este ano, foram estimados cerca de 16 mil casos.

Março azul-marinho

Lembra o câncer colorretal, que acomete o intestino grosso e o reto.

4. Abril azul

Tema: Autismo

O transtorno afeta cerca de 1% da população mundial. É até quatro vezes mais frequente no sexo masculino.

Abril verde

Dedica-se a conscientizar sobre a prevenção de acidentes em ambientes de trabalho. Somos o quarto país na lista das nações com maiores índices de acidentes laborais – de 2012 para cá, foram registrados 4,4 milhões de casos.

5. Maio roxo

Tema: Doenças inflamatórias intestinais

Atingem cerca de 5 milhões de pessoas no mundo e podem provocar câncer colorretal.

Maio amarelo

Estimula o debate sobre acidentes de trânsito, que mataram, só nos primeiros seis meses de 2018, mais de 19 mil mortes e 20 mil casos de invalidez permanente no país, segundo o Centro de Pesquisa e Economia do Seguro (CPES), órgão da Escola Nacional de Seguros.

6. Junho vermelho

Tema: Incentivo à doação de sangue

Segundo análises, no inverno, os bancos de sangue sofrem redução de 30% nos estoques.

7. Julho amarelo

Tema: Hepatites virais

Os dois tipos mais graves, B e C, acometem 1,7 milhão e 756 mil brasileiros, respectivamente.

8. Agosto laranja

Tema: Esclerose múltipla

Estima-se que 35 mil brasileiros sofram com essa doença, em que as células de defesa do organismo atacam o sistema nervoso, causando fadiga, visão embaçada, perda de equilíbrio e outros problemas.

Agosto dourado

Os primeiros sete dias do mês são marcados pela Semana Mundial de Aleitamento Materno, que busca conscientizar sobre a importância da amamentação. Os momentos em que a mãe dá de mamar ao bebê são considerados “horas de ouro” – daí o nome.

9. Setembro amarelo

Tema: Combate ao suicídio

Considerado pela OMS um grave problema de saúde pública. No mundo, há mais de 800 mil suicídios todos os anos.

10. Setembro verde

Incentiva a doação de órgãos. Em 2016, foram registrados 2.983 doadores no país, um aumento de 5% em relação a 2015.

Setembro Vermelho

No dia 29 é celebrado o Dia Mundial do Coração. Por isso, o mês também chama atenção para as doenças cardiovasculares, que são a principal causa de morte no mundo todo.

11. Outubro rosa

Tema: Câncer de mama

O segundo tipo mais frequente entre mulheres em todo o Brasil (exceto na região Norte). Só em 2018, foram estimados cerca de 59 mil novos casos.

12. Novembro azul

Tema: Câncer de próstata

É o segundo tipo de câncer mais frequente entre os homens no Brasil. Até o fim deste ano, espera-se detectar mais de 68 mil episódios.

13. Dezembro vermelho

Tema: HIV

Dados de 2017 indicam que 882.810 brasileiros vivem com o vírus da aids e cerca de 40 mil novos casos são registrados por ano. Esses índices estão subindo.

Dezembro laranja

Criada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, essa campanha joga luz sobre a prevenção do câncer de pele, o mais comum no país.

Fontes: OMS, ONU, Unaids, Inca, Instituto Lado a Lado pela Vida, Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, HIV/Aids e Hepatites Virais, Associação Brasileira de Psiquiatria, Associação Brasileira de Alzheimer, Associação Brasileira de Esclerose Múltipla, DSM-V, Portal Brasil, Portal da Coloproctologia, G1, Correio Braziliense, EBC e CLAUDIA;