Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Como foi o garimpo em Serra Pelada?

O maior garimpo a céu aberto do mundo chegou a reunir mais de 100 mil pessoas atrás de pepitas de ouro no interior do Pará

Por Juliana Sayuri
Atualizado em 22 fev 2024, 10h18 - Publicado em 9 dez 2016, 13h26

Foi um fenômeno da mineração que ocorreu no Pará entre 1980 e 1992. Tudo começou quando uma pepita de ouro foi encontrada na fazenda de Três Barras no final de 1979 (há controvérsias sobre a data), atraindo, nos meses seguintes, mais de 30 mil pessoas. A fazenda foi invadida pelos garimpeiros e passou a ser controlada pela ditadura militar – o líder era Sebastião Rodrigues de Moura, o major Curió, que tinha feito “fama” perseguindo guerrilheiros no Araguaia (em 1982, o major se tornou deputado federal e, em 1988, deu nome a Curionópolis, onde oficialmente está Serra Pelada). Munidos de pás e picaretas, os garimpeiros desterraram o morro de 150 m de altura, deixando no lugar uma cratera de 24 mil m2 que se transformou num lago de 200 m de profundidade com a ação das chuvas. Serra Pelada foi o maior garimpo a céu aberto do mundo, de onde foram extraídas toneladas de ouro.

serra_pelada2
()

1. Após a descoberta inicial, mais de 30 mil pessoas foram atrás do ouro. A Vale do Rio Doce, que tinha direitos sobre a lavra, recebeu uma indenização do governo pela perda da área, que foi invadida. Todo mundo devia vender o ouro para os cofres federais, mas, na prática, o contrabando existia. A Vale interditou a cava diversas vezes para mecanizar a exploração, mas os garimpeiros voltavam para lá

2. No garimpo, não era cada um por si. O terreno era dividido em “barrancos” (pedaços de terra de 2 por 3 m), que foram conquistados à força no começo e, depois, sorteados, contando inclusive com escritura. Os donos dos barrancos eram os “capitalistas”, que tinham subordinados e ficavam com quase todo o lucro. No auge, Serra Pelada tinha 300 barrancos

3. Logo abaixo do capitalista estava o meia-praça, basicamente o cara que dizia quem iria escavar onde. Por dar ordens, o meia-praça era a “classe média” do garimpo – e, diferentemente dos outros, que eram assalariados, ganhava por comissão. Ele recebia uma pequena porcentagem sobre o ouro encontrado (de 2 a 5%)

4. Os outros empregados eram o cavador, o apontador, o apurador e o formiga. O trabalho começava com este último: ele cavava o solo até encontrar rocha. Depois, juntava até 35 kg dessa terra num saco, punha nas costas e o carregava para fora da cava, subindo escadas improvisadas chamadas de “adeus-mamãe”. Seu pagamento era proporcional ao peso levado

Continua após a publicidade

5. O cavador era o empregado mais importante: orientado pelo meia-praça, ele marretava a rocha com picaretas atrás de pepitas. Dependia-se muito da sorte, pois não dava para saber se o barranco estava premiado ou não antes de explorá-lo. Era frequente encontrar pepitas de ouro do tamanho de uma bola de golfe

serra_pelada3
()

6. Em seguida, ocorria a lavagem. Nessa parte, o apurador escorria a terra por uma calha coberta de mercúrio líquido. A substância se unia ao ouro, formando uma liga. A bateia (uma espécie de bandeja côncava de metal) era usada para separar a liga da terra. Depois, esse mix era esquentado para evaporar o mercúrio e sobrar só o ouro

7. Próximo ao barranco existia um guichê da Caixa Econômica Federal. Pela lei, era o único lugar onde os garimpeiros poderiam vender o minério extraído. Havia uma balança para pesar o ouro e o pagamento era feito em dinheiro vivo. No entanto, a Caixa estabelecia os preços, que eram até 60% abaixo do valor real das pedras

8. Na mina eram proibidos álcool, armas e mulheres – havia policiais federais (os “fedecas”) monitorando tudo. Diante das proibições na jazida, nasceu a Vila Trinta, um vilarejo a 30 km de Serra Pelada, na rodovia PA-175, com bares e muitos bordéis. Além da farra, a aldeia era lugar para aliviar as armas de fogo. Entre brigas e acertos de contas, os assassinatos eram rotineiros

Continua após a publicidade

9. A fase áurea foi entre 1982 e 1986, quando 100 mil pessoas se acotovelavam em Curionópolis (hoje com 18 mil habitantes). O garimpo em Serra Pelada durou até 1992, quando o governo fechou a mina. Até o encerramento, 56 toneladas do valioso metal foram arrancadas (incluindo aí a extração clandestina). Em 2002, o garimpo voltou, mas de modo mecanizado

serra_pelada4
()

PERGUNTA DA LEITORA – Thaís Matias Pamplona de Oliveira, Ribeirão Preto, SP

CONSULTORIA Estêvão Barbosa, geógrafo e pesquisador do núcleo Mineração e Desenvolvimento Sustentável da UFPA, Luiz Jardim Wanderley, geógrafo e professor da UFRJ, Salvador Tavares de Moura, historiador e professor da UFMA, Valdeci Monteiro dos Santos, economista e professor da Universidade Católica de Pernambuco

FONTES Documentário Serra Pelada: A Lenda da Montanha de Ouro, de Victor Lopes; filme Serra Pelada, de Heitor Dhalia; livro Serra Pelada: Uma Ferida Aberta na Selva, de Ricardo Kotscho

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.