Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Depilar as partes íntimas é mais perigoso do que você imagina

Um estudo norte-americano mostrou que uma em cada quatro pessoas já deixou a gilete escapar pelo menos uma vez na região genital

Por Guilherme Eler
Atualizado em 29 Maio 2020, 15h24 - Publicado em 16 ago 2017, 17h30

Para uns é questão de higiene. Outros, levam mais em conta a satisfação do parceiro(a) ou a própria aparência em frente ao espelho. Independente do que lhe estimule a dar um trato nos pelos pubianos, é importante ter certeza de cada movimento na hora de usar a lâmina. Um novo estudo norte-americano mostrou que uma em cada quatro pessoas já machucaram suas áreas íntimas na tarefa – e que, quanto mais frequente for a manutenção da área, maior é a chance de que os cortes se repitam.

Os pesquisadores chegaram nesses números entrevistando 7.570 pessoas dos EUA. O grupo era formado por 4.198 homens e 3.372 mulheres, todos entre 18 e 64 anos. Dentre as perguntas, havia a idade em que eles se depilaram pela primeira vez, o quão peludos eles se achavam e, principalmente, se já haviam sofrido algum tipo de lesão na região do playground.

76% do total declarou já ter dado um tapa no gramado em algum momento da vida, mesmo que esse não fosse um hábito regular. E as mulheres mostraram se importar mais com os pelos pubianos: 85% delas já se depilaram, número que foi de 67% no caso dos homens.

Enquanto 4% contou que costuma terceirizar o serviço para um profissional da área (ou para um amigo, no caso de 0,5% das cobaias), a maioria encarava a depilação como um trabalho solo (86.5%). O restante, 9%, disse confiar no parceiro para o trabalho – que é feito na gilete mesmo, sem nada de cera ou laser para três quartos dos participantes.

Mas usar uma lâmina afiada (ou uma cera pegando fogo) em uma região tão sensível, tem seus percalços. Cortes ou queimaduras na genitália e nas áreas em torno dela afetaram 27% das mulheres e 24% dos marmanjos. E 1,4% dos participantes foi além: já se machucaram tão gravemente que precisaram dar uma passada no pronto-socorro. Antibióticos para tratar infecções e até mesmo pontos (!) para fechar os buracos abertos foram alguns dos procedimentos comuns.

Outra conclusão interessante foi a de que homens que achavam ter pelos demais no corpo também se lesionavam mais. A região mais comprometida era o saco escrotal, local preferido de 67% dos cortes, seguido pelo pênis (35%). O púbis, por sua vez, é a área mais sofrida no caso das mulheres, com 51% dos acidentes ocorrendo ali –  a vagina apareceu na segunda colocação, com 43%. Neste gráfico, elaborado pelo The Guardian, você pode ter uma dimensão completa das áreas em que a gilete mais escapa e em que a cera mais queima o couro das cobaias.

De acordo com os pesquisadores, é difícil indicar o método perfeito. Apesar das giletes afiadas serem as grandes vilãs, causando cortes de todo tipo, elas continuam sendo um método simples e barato – e não representa alto risco de contaminação, já que são descartadas após poucas aplicações. Por outro lado, barbeadores elétricos não machucam tanto, mas não deixam os pelos tão curtos quanto o bom e velho prestobarba. Ou seja, não importa a tática. Para sair ileso da próxima vez, cautela é a palavra de ordem. Quem tem pelo, tem medo, já diria o ditado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.