Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Descoberta aponta humanos do Paleolítico como essencialmente predadores

A dieta na Pré-História era entendida como uma mistura equilibrada de caça e coleta. Mas os hominídeos eram mais predadores do que se imagina.

Por Leo Caparroz Atualizado em 9 Maio 2022, 19h37 - Publicado em 9 Maio 2022, 19h32

A paleodieta ficou relativamente famosa durante meados de 2015. Ela prometia emagrecimento rápido e melhora da saúde em troca de um regresso: comer igual aos hominídeos do Paleolítico. Isso inclui consumo de carnes, vegetais, folhas, legumes e nozes. A dieta divide a opinião de nutricionistas até hoje. Mas, afinal, o quão certo estamos das refeições de nossos antepassados?

Um estudo realizado por antropólogos da Universidade de Tel Aviv, em Israel, e da Universidade de Minho, em Portugal, reconstruiu a posição dos homens primitivos na cadeia alimentar. Usando 25 evidências de diferentes áreas genética, fisiologia, arqueologia, entre outras –, eles chegaram à conclusão de que, durante a parte final do Paleolítico, os humanos eram essencialmente caçadores. E caçadores de animais grandes.

A ideia de uma dieta onívora, equilibrada entre carnes e vegetais, vem de comparações com sociedades modernas de caçadores-coletores. Essa analogia é, para os pesquisadores, sem fundamento, uma vez que os tipos de animais e plantas disponíveis não são os mesmos do passado e não têm os mesmos valores nutricionais.

Evoluímos para o churrasco

Entre as características observadas está a quantidade de ácidos estomacais em nosso sistema digestório. O estômago humano tem ácidos mais fortes do que os necessários para uma dieta onívora e até do que de outros predadores o que é ideal para matar bactérias possivelmente encontradas em pedaços de carne.

Continua após a publicidade

Outro ponto é a reserva de energia. No corpo de onívoros habituais, as células de gordura são grandes e poucas; o contrário é observado não só nos humanos, mas também em predadores. As células menores são mais facilmente quebradas; então, quando o caçador não encontra sua presa, as gorduras do seu corpo podem ser usadas para abastecer sua demanda energética.

No campo da genética fica ainda mais evidente: áreas do genoma humano foram fechadas para possibilitar uma dieta rica em gorduras, enquanto que, nos chimpanzés, a dieta priorizada é rica em açúcares.

Conforme os grandes mamíferos caçados pelos hominídeos eram extintos aos poucos, as sociedades primitivas também se modificaram. Ao fim do Paleolítico, elas haviam se tornado mais sedentários e iniciado o desenvolvimento da agricultura a revolução Neolítica.

Entender o passado da humanidade é fundamental para compreender as origens de nossas características e por que somos adaptados da forma que somos. “A afirmação de que humanos eram predadores durante grande parte de seu desenvolvimento pode fornecer percepções fundamentais sobre a evolução biológica e cultural humana”, afirma Ran Barkai, um dos responsáveis pelo estudo. 

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade
Ciência
Descoberta aponta humanos do Paleolítico como essencialmente predadores
A dieta na Pré-História era entendida como uma mistura equilibrada de caça e coleta. Mas os hominídeos eram mais predadores do que se imagina.

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade