Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Novo satélite russo pode brilhar mais do que a Lua

O Mayak é um satélite que tem como único objetivo brilhar

Por Felipe Germano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 19h07 - Publicado em 1 mar 2016, 19h30

Tá vendo aquela Lua que brilha lá no céu? Pois é, se depender de um grupo de russos, o brilho dela nem vai se comparar ao de um novo satélite amador. Chamado de Mayak, o projeto é simplesmente lançar um objeto artificial que consiga reluzir mais do que as estrelas de verdade. E o governo de Putin já aprovou a ideia.

“Mayak” é palavra russa para “farol”, mas ele está mais para espelho. O objeto não tem luz própria, ele reflete a luz do sol para conseguir se destacar em meio ao céu escuro – exatamente como a Lua faz. Além disso, o satélite, que mede 16m² e tem forma de pirâmide, fará um trajeto a 600 km de altura que o tornará visível de qualquer parte do mundo. Mesmo que seu céu esteja poluído ou nublado, você conseguirá localizá-lo precisamente com o auxílio de um aplicativo. Para tudo isso dar certo, o Mayak ainda contará com um sistema que o fará desviar do lixo espacial.

Para viabilizar a ideia, estudantes da Universidade de Moscou tentaram levantar dinheiro com a colaboração de internautas. Colocaram o projeto no BoomStarter, o KickStarter russo, para arrecadar 1,5 milhão de rublos (cerca de R$ 80 mil). Deu mais que certo: eles já conseguiram R$ 97 mil, e ainda têm oito dias para acabar o prazo de arrecadação.

LEIA: Modelo da órbita terrestre feito de Lego é quase perfeito

Continua após a publicidade

A agência espacial russa, a Roscosmos, já afirmou que apoia o projeto e que pode levar o Mayak a bordo do Soyuz-2, foguete russo que será lançado em julho. “Nós trabalhamos seriamente com universidades e, apoiando projetos como o Mayak, aumentamos a motivação para que estudantes trabalhem, futuramente, com empresas russas espaciais”, afirmou um porta-voz da Roscosmos, ao site Sputnik News.

O projeto ainda prevê uma réplica do satélite para exposição no Museu Cosmonauta de Moscou, e um estudo que visa uma nova técnica para a aterrisagem de satélites, na volta para a Terra. “Nós queremos mostrar que exploração espacial é algo emocionante e interessante e que hoje isso é acessível para qualquer um que esteja interessado”, afirmou Alexander Shaenko, um dos responsáveis pelo projeto, também ao Sputnik.

LEIA TAMBÉM:

Continua após a publicidade

Conversamos com Tracy Caldwell, uma das astronautas que inspiraram “Perdido em Marte”

Buracos negros disparam matéria para o meio do nada

Astronauta vestido de gorila voa pela Estação Espacial

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.