Clique e assine a partir de 8,90/mês

Os gambás ficam bêbados como gambás?

Animais alcoólatras, cubos humanos, vampirologia e, bem, física quântica. O Oráculo de junho está surreal. E encantador

Por Da Redação - Atualizado em 13 abr 2017, 15h37 - Publicado em 24 jun 2012, 22h00

Edição: Felipe van Deursen Reportagem: Fronteira – Agência de Jornalismo
O DE CIMA BE
Por que toda grande nascente é no alto de montanha?

Alexandre e José Leonardo
Piraí, RJ

Rios grandes costumam nascer próximos a montanhas porque chove mais nesses lugares. Além disso, algumas montanhas têm gelo, cujo derretimento alimenta a nascente. A do rio Amazonas, por exemplo, é formada por gelo dos Andes. Quando chove, a água se infiltra no solo, preenche espaços vazios e escorre montanha abaixo, gerando a nascente. E o rio vai descendo até o chão.

TRUE ARTERIAL BLOOD
Vampiros bebem sangue venoso ou arterial?

Dálete Caceres
Campo Grande, MS

Dálete, minha querida quarta letra do alfabeto hebraico, a resposta é letra B de “benoso”. Afinal, é sangue venoso o que corre na jugular, veia que os vampiros costumam atacar. Porém, Marcos Graminha, nobre fundador da Sociedade Brasileira de Vampirologia, alerta que o hábito de beber sangue é um recurso inventado por Hollywood (para variar). “O sangue é uma imagem para as pessoas entenderem como o vampiro drena a vida das pessoas”, diz. Vampiros sugam a energia vital das vítimas. O sangue é apenas uma representação visual desse hábito glutão. Já o pescoço entra na história para dar um toque erótico à situação. Sensualizante.

COMPROVAR O IMPROVÁVEL
Religião e ciência têm conceitos contraditórios. Mas existe algo sobre o qual elas têm ideias semelhantes?

Thales Araújo da Silva
Setubinha, MG

Não há unanimidade. Para o filósofo Karl Giberson, autor de The Oracles of Science: Celebrity Scientists versus God & Religion, ciência e religião concordam em dois pontos: a racionalidade é o cerne do real e o ser humano é inegavelmente fraco frente a maus hábitos. Existe uma ciência que apresenta uma convergência para essa relação: a física quântica. Para a física clássica, tudo que existe é verificável com experimentos. “Para a física quântica, os poderes da mente, a transcendência e a unicidade do ser, que não são comprovados pela ciência pura, são realidades inequívocas”, explica o autor do livro Jesus e a Física Quântica, Isidoro Mazzarolo. Amém?

Publicidade