Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Arqueólogos encontram mais de 8 mil ossos de sapos em Cambridge

Os restos mortais de cerca de 350 anfíbios estavam em uma vala, perto de um assentamento da Idade do Ferro; pesquisadores tentam entender a descoberta misteriosa.

Por Luisa Costa 13 jun 2022, 16h42

Um misterioso enterro em massa está intrigando arqueólogos na Inglaterra. Mais de oito mil ossos de sapos e rãs foram encontrados dentro de uma vala próxima a Cambridge, cerca de 75 quilômetros ao norte de Londres.

A descoberta foi feita pelo Museu de Arqueologia de Londres (Mola) e aconteceu em escavações realizadas entre 2016 e 2018, em uma área de 234 hectares. Essas investigações rolaram em meio à construção de uma estrada inglesa chamada A14 – que também revelou ossos de mamutes e rinocerontes pré-históricos.

Acredita-se que os ossos encontrados pertençam a cerca de 350 anfíbios. Enterrados em uma vala de 14 metros de comprimento, eles estavam próximos ao que restou de um assentamento que existiu por ali entre 400 a.C. e 43 d.C. (durante a chamada Idade do Ferro).

Não é incomum encontrar ossos de anfíbios em escavações arqueológicas. Eles já apareceram na cidade de Amesbury (Inglaterra), por exemplo, mas tinham cortes ou marcas de queimadura – indícios de que os animais serviam de alimento para as pessoas que moravam em assentamentos pré-históricos por lá.

Continua após a publicidade

Mas os ossos encontrados próximos a Cambridge são diferentes: eles não têm essas marcas. Além disso, o número de ossos é “extraordinário”, segundo Vicki Ewens, pesquisadora do Mola. Ainda não se sabe ao certo o que explica a concentração desses restos mortais, mas há algumas hipóteses. 

Uma arqueóloga examinando as amostras em um microscópio.
Vicki Ewens faz parte da equipe que está analisando os ossos encontrados. MOLA/ANDY CHOPPING/Reprodução

Há evidências de antigas culturas de grãos no local, por exemplo, que poderiam atrair besouros ou pulgões – estes, por sua vez, atrairiam anfíbios que buscavam alimento. Segundo os pesquisadores, os sapos e as rãs também podem ter caído na vala enquanto buscavam uma lagoa para reprodução.

“Esse acúmulo de restos mortais pode ter sido causado por vários fatores diferentes, possivelmente interagindo por um longo período de tempo – só não temos certeza ainda do que eram [esses fatores]”, explica Ewens à BBC.

Além dos ossos, pequenas quantidades de lixo doméstico foram encontradas na vala, como fragmentos de cerâmica da Idade do Ferro.

Compartilhe essa matéria via:

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)