Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Os contraceptivos hormonais aumentam o risco de depressão?

Os contraceptivos hormonais têm funções que vão além do controle de natalidade. Uma neurocientista explica como eles afetam seu humor, para melhor ou pior.

Por Natalie C. Tronson
8 jul 2024, 19h00

Natalie C. Tronson é professora associada de Psicologia na Universidade de Michigan. Este texto foi publicado originalmente no site The Conversation.  

Mais de 85% das mulheres e mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo, em um determinado momento, usam contraceptivos hormonais por pelo menos cinco anos de suas vidas. Embora sejam usados principalmente para controle de natalidade, muitas pessoas também usam contraceptivos hormonais para controlar uma variedade de sintomas relacionados à menstruação, desde cólicas e acne até alterações de humor.

Entretanto, para até 10% das mulheres, os contraceptivos hormonais podem aumentar o risco de depressão. Os hormônios, inclusive o estrogênio e a progesterona, são essenciais para a saúde do cérebro. Então, como a modificação dos níveis hormonais com contraceptivos hormonais afeta a saúde mental?

Sou uma pesquisadora que estuda a neurociência do estresse e dos processos relacionados à emoção. Também estudo as diferenças de sexo na vulnerabilidade e resiliência a transtornos de saúde mental. Entender como os contraceptivos hormonais afetam o humor pode ajudar os pesquisadores a prever quem sofrerá efeitos positivos ou negativos.

Como funcionam os contraceptivos hormonais?

Nos EUA e em outros países ocidentais, a forma mais comum de contraceptivo hormonal é a “pílula” – uma combinação de estrogênio sintético e progesterona sintética, dois hormônios envolvidos na regulação do ciclo menstrual, da ovulação e da gravidez. O estrogênio coordena a liberação programada de outros hormônios, e a progesterona mantém a gravidez.

Continua após a publicidade

Isso pode parecer contraintuitivo: por que os hormônios naturais necessários para a gravidez também impedem a gravidez? E por que tomar um hormônio reduz os níveis desse mesmo hormônio?

Gráfico de linhas traçando os níveis crescentes de estrogênio que atingem o pico no primeiro dia do ciclo menstrual antes de diminuir, e os níveis de progestagênio que atingem o pico no oitavo dia antes de diminuir
Quando o estrogênio e a progesterona atingem um determinado nível limite, o corpo diminui sua produção.
Dharani Kalidasan/R.I. McLachlan et al. 1987 via Wikimedia Commons, CC BY-SA

Os ciclos hormonais são rigidamente controlados pelos próprios hormônios. Quando os níveis de progesterona aumentam, eles ativam processos nas células que interrompem a produção de mais progesterona. Isso é chamado de loop de feedback negativo.

O estrogênio e a progesterona da pílula diária, ou outras formas comuns de contraceptivos, como implantes ou anéis vaginais, fazem com que o corpo diminua a produção desses hormônios, reduzindo-os a níveis observados fora da janela fértil do ciclo. Isso interrompe o ciclo hormonal rigidamente orquestrado necessário para a ovulação, a menstruação e a gravidez.

Continua após a publicidade

Efeitos cerebrais dos contraceptivos hormonais

Mas os contraceptivos hormonais afetam mais do que apenas os ovários e o útero.

O cérebro, especificamente uma área chamada hipotálamo, controla a sincronização dos níveis de hormônios ovarianos. E embora sejam chamados de “hormônios ovarianos”, os receptores de estrogênio e progesterona também estão presentes em todo o cérebro.

O estrogênio e a progesterona têm efeitos amplos sobre os neurônios e os processos celulares que não têm nada a ver com a reprodução. Por exemplo, o estrogênio desempenha um papel nos processos que controlam a formação da memória e protegem o cérebro contra danos. A progesterona ajuda a regular as emoções.

Continua após a publicidade

Ao alterar os níveis desses hormônios no cérebro e no corpo, os contraceptivos hormonais podem modular o humor – para melhor ou para pior.

Interação com o estresse

O estrogênio e a progesterona também regulam a resposta ao estresse, a reação de “lutar ou fugir” do corpo a desafios físicos ou psicológicos.

O principal hormônio envolvido na resposta ao estresse, o cortisol em humanos e a corticosterona em roedores, ambos abreviados como CORT, é principalmente um hormônio metabólico, o que significa que o aumento dos níveis sanguíneos desses hormônios durante condições estressantes resulta em mais energia mobilizada das reservas de gordura. A interação entre os sistemas de estresse e os hormônios reprodutivos é um elo crucial entre o humor e os contraceptivos hormonais, pois a regulação da energia é extremamente importante durante a gravidez.

Continua após a publicidade

Então, o que acontece com a resposta ao estresse de uma pessoa quando ela toma contraceptivos hormonais?

Quando expostas a um estressor leve – colocar o braço na água fria, por exemplo, ou ficar em pé para fazer um discurso público – as mulheres que usam contraceptivos hormonais apresentam um menor aumento de CORT do que as pessoas que não usam contraceptivos hormonais.

Os pesquisadores observaram o mesmo efeito em ratos e camundongos – quando tratados diariamente com uma combinação de hormônios que imitam a pílula, ratos e camundongos fêmeas também apresentam uma supressão da resposta ao estresse.

Continua após a publicidade

Contraceptivos hormonais e depressão

Os contraceptivos hormonais aumentam o risco de depressão? A resposta curta é que isso varia de pessoa para pessoa. Mas, para a maioria das pessoas, provavelmente não.

É importante observar que nem o aumento nem a diminuição das respostas ao estresse estão diretamente relacionados ao risco ou resistência à depressão. Mas o estresse está intimamente relacionado ao humor, e o estresse crônico aumenta substancialmente o risco de depressão. Ao modificar as respostas ao estresse, os contraceptivos hormonais alteram o risco de depressão após o estresse, levando à “proteção” contra a depressão para muitas pessoas e ao “aumento do risco” para uma minoria de pessoas. Mais de 9 em cada 10 pessoas que usam anticoncepcionais hormonais não apresentarão diminuição do humor ou sintomas de depressão, e muitas apresentarão melhora do humor.

Mas os pesquisadores ainda não sabem quem terá maior risco. Fatores genéticos e exposições anteriores ao estresse] aumentam o risco de depressão, e parece que fatores semelhantes contribuem para as mudanças de humor relacionadas à contracepção hormonal.

Atualmente, os contraceptivos hormonais são geralmente prescritos por tentativa e erro – se um tipo causar efeitos colaterais em uma paciente, outro com uma dose, método de administração ou formulação diferente pode ser melhor. Mas o processo de “tentar e ver” é ineficiente e frustrante, e muitas pessoas desistem em vez de mudar para uma opção diferente. Identificar os fatores específicos que aumentam o risco de depressão e comunicar melhor os benefícios da contracepção hormonal além do controle de natalidade pode ajudar as pacientes a tomar decisões mais informadas sobre cuidados com a saúde.The Conversation

Este artigo foi republicado do The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.