Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Nasa divulga imagens detalhadas de Ganimedes, maior lua do Sistema Solar

A lua gigante gira em torno de Júpiter e é maior que o planeta Mercúrio. Essas são as primeiras imagens obtidas pela sonda Juno, lançada em 2011.

Por Carolina Fioratti Atualizado em 27 jul 2021, 14h23 - Publicado em 9 jun 2021, 18h11

A sonda Juno, da Nasa, foi enviada ao espaço em 2011, mas só alcançou a órbita de Júpiter cinco anos depois. Desde então, ela tem explorado a composição, distribuição atmosférica, entre outras características do planeta. Agora, a espaçonave captou imagens a “apenas” 1.038 quilômetros de distância da Ganimedes, a maior lua de Júpiter, que foram divulgadas pela Nasa na última terça-feira (8).

Júpiter tem um total de 79 luas. Ganimedes é não só a maior delas como também a maior de todo o Sistema Solar. Com um raio de 2.634 km, Ganimedes é maior até que Mercúrio, que tem 2.440 km de raio. Ela é a única lua grande o suficiente para gerar sua própria magnetosfera, uma bolha de partículas eletricamente carregadas que reveste o corpo celeste. A última espaçonave a chegar tão próxima da lua de Júpiter foi a Galileo, em dezembro de 2000. 

Primeiras imagens de Ganymede, a lua de Júpites feitas pela a espaçonave Juno.
Imagem do lado iluminado da lua obtida pela JunoCam. NASA/Reprodução

Desta vez, as imagens obtidas pela Juno mostram as crateras do satélite, além das listras longas e estreitas no solo, provavelmente causadas por falhas tectônicas. Essa primeira foto foi feita pela câmera principal da espaçonave, a JunoCam, que capturou a maior parte da porção iluminada da lua. A resolução é de 1 km por pixel.

A imagem ainda está em preto e branco, mas deve ganhar cor em breve, quando forem divulgadas novas versões das fotografias obtidas a partir de filtros coloridos (leia mais sobre fotografias espaciais aqui). A sonda Juno deve enviar mais fotos ao longo dos próximos dias.

Continua após a publicidade

Uma segunda imagem foi capturada pela câmera de navegação da Unidade de Referência Estelar, que mostrou outra porção de Ganimedes, que fica oposta ao Sol. Conseguimos vê-la na imagem abaixo porque ela reflete a luz vinda de Júpiter – que por sua vez reflete a luz do Sol. A escala dessa é de 600 a 900 metros por pixel.

Primeiras imagens de Ganymede, a lua de Júpites feitas pela a espaçonave Juno.
Imagem do lado oposto da lua obtida pela câmera de navegação da Unidade de Referência Estelar. NASA/Reprodução

A Nasa estendeu a missão de Juno até 2025. Agora, a sonda realizará 42 órbitas extras ao redor de Júpiter e, durante algumas delas, passará perto de Ganimedes e de outras duas grandes luas do planeta, chamadas Io e Europa. Os cientistas planejam investigar a composição e medir a magnetosfera de Ganimedes, observando sua interação com a magnetosfera de Júpiter. 

Os dados coletados por Juno poderão ser úteis em missões futuras, como o lançamento da espaçonave Juice (Jupiter Icy Moons Explorer) pela Agência Espacial Europeia (ESA), que deve sobrevoar as luas Ganimedes, Europa e Calisto. No final desta década, a Nasa também deve lançar a missão Europa Clipper, com o objetivo de investigar a lua Europa. Essa possui um oceano profundo sob sua superfície de gelo, o que a torna um bom alvo para a busca de vida fora da Terra.

Você pode entender melhor o posicionamento de Juno no espaço por meio do Eyes on the Solar System, um sistema interativo desenvolvido pela Nasa. Basta clicar aqui.

Continua após a publicidade

Publicidade