Clique e assine a partir de 8,90/mês

Coronavírus: o que fazer em caso de suspeita da doença?

Calma, não corra para o hospital. Entenda quais os principais sintomas da Covid-19, e em qual situação é preciso procurar ajuda médica.

Por Rafael Battaglia - Atualizado em 22 abr 2020, 18h09 - Publicado em 17 abr 2020, 19h06

Você seguiu todas as recomendações possíveis: ficou em casa, saiu apenas quando necessário, usou máscaras, álcool gel e lavou as mãos até não poder mais. E, mesmo depois disso tudo, acha que pegou o novo coronavírus (Sars-CoV-2). O que fazer?

Calma. Antes de tudo, é preciso entender quais os sintomas da Covid-19. Os mais comuns se assemelham a uma gripe: febre acima de 37,8ºC, mal-estar, tosse e outros problemas respiratórios, como coriza, dor de garganta e dificuldade para respirar.

A doença, vale dizer, também possui outro sintomas menos conhecidos (e que ocorrem com menos frequência), como perda de olfato e paladar, dor nos músculos e nas articulações e problemas gástricos, como enjoo e diarreia.

Mas vamos nos ater aos sintomas principais. É justamente pela semelhança com outras doenças, como a gripe, que não se deve correr para o hospital ao menor sinal de febre e tosse. Motivo: isso pode sobrecarregar (ainda mais) o sistema de saúde. Além disso, caso você não esteja com Covid-19, ir a um ambiente hospitalar te coloca em risco de contaminação, podendo levar o vírus para dentro de casa.

Continua após a publicidade

Estou com sintomas leves. O que fazer?

Se você apresentar sintomas leves de Covid-19, a recomendação do Ministério da Saúde é fazer o isolamento domiciliar por 14 dias. Se possível, como pede a Organização Mundial da Saúde (OMS), que a quarentena se estenda para todos que moram na sua casa.

Nesse momento, a informação é sua melhor aliada. Nada de correntes do Facebook: procure veículos confiáveis de notícia e, se possível, canais oficiais de comunicação, como o próprio ministério. O Disque Saúde (136) serve para tirar qualquer dúvida com profissionais que dão orientações à distância para o paciente.

O Ministério da Saúde possui também um canal no WhatsApp para esclarecimentos, auxílio no diagnóstico e informações sobre a rede de assistência mais próxima. Para acessar, basta adicionar o número +55 (61) 9938-0031 e mandar um “oi”.

Se o seu caso de Covid-19 for confirmado, não se desespere: há boas chances de que os sintomas serão leves ou moderados – ou sequer vão aparecer. Mas nesse cenário, é preciso redobrar os cuidados do isolamento para impedir a transmissão do vírus.

Continua após a publicidade

O paciente deve se isolar em um cômodo da casa que possua janelas, para manter a circulação do ar – com a porta fechada, claro. O distanciamento para outras pessoas deve ser de, no mínimo, um metro, e nada deve ser compartilhado (talheres, louça, roupas, toalhas, etc.). Até o lixo deve ser separado.

Posso tomar remédios?

Em casos leves, medicamentos simples para aliviar dores e febres (analgésicos e antitérmicos) podem ser tomados.

Nas últimas semanas, o Ibuprofeno foi apontado como uma substância perigosa, podendo agravar o quadro da doença. Apesar de haver um estudo sobre essa relação, a ciência ainda não chegou a uma conclusão. Na dúvida, melhor evitá-lo.

No mais, as recomendações seguem a de gripes e resfriados: descanso, hidratação e alimentação saudável.

Continua após a publicidade

Quando devo ir ao hospital?

A ida ao hospital ou a um posto de saúde só deve acontecer se a febre for persistente e os problemas respiratórios agravarem – dificultando a respiração.

Para encontrar a unidade de saúde mais próxima (e que esteja apta para receber pacientes com Covid-19), você pode procurar os canais de comunicação do ministério (Disque Saúde ou WhatsApp) ou, ainda, acessar a lista dos hospitais estaduais e Unidades Básicas de Saúde que prestam atendimento e procurar de acordo com o seu município.

Se você possuir algum tipo de plano de saúde, vale entrar em contato com a prestadora para se informar sobre os hospitais conveniados. Desde março, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) regulamentou a cobertura obrigatória de testes para a infecção.

Publicidade