Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Onde surgiu o hábito de pintar as unhas, e qual foi o primeiro esmalte?

Várias culturas desenvolveram os seus próprios métodos de manicure. Mas os chineses foram os primeiros a criar um revestimento parecido com o atual.

Por Rafael Battaglia
Atualizado em 6 jul 2023, 10h52 - Publicado em 16 jun 2023, 10h53

É uma invenção tão antiga que não tem inventor. No Egito, arqueólogos encontraram múmias de 5000 a.C. com unhas douradas e as pontas dos dedos tingidas de henna, o corante que hoje é usado em tatuagens temporárias, feito a partir da planta de mesmo nome.

Na Índia, as mulheres também usavam henna, enquanto na Babilônia os homens usavam kohl, um pigmento preto feito com o mineral estibina que também era usado como maquiagem em torno dos olhos.

Acredita-se que o tataravô do esmalte, uma substância que enrijece após a aplicação, tenha surgido na China, por volta de 3000 a.C. Era uma mistura de clara de ovo, cera de abelha, colágeno (retirado de ossos e outros restos animais) e algo para dar cor – geralmente, pétalas de rosas ou orquídeas.

Os chineses também usavam adereços nas pontas dos dedos: compridos e afiados, eram decorados com folhas de bronze e pedras. As primeiras unhas postiças. 

Unhas eram um símbolo de status: quanto mais bem cuidadas, mais nobre você era – afinal, manicure em dia não combina com trabalho braçal. Em algumas sociedades, a nobreza proibia os plebeus de usar esmaltes de certas cores.

Continua após a publicidade

As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra, por exemplo, pintavam as unhas de vermelho. Ninguém mais poderia fazer o mesmo: as mulheres de classes mais baixas usavam apenas tons pastéis.

A tinta dos esmaltes pioneiros não era reluzente. Para que as unhas brilhassem, era preciso aliar o pigmento a alguma outra técnica, como aplicar um creme abrasivo e, depois, polir.
 
Em 1916, a empresa americana Cutex resolveu parcialmente o problema desenvolvendo um verniz transparente para as unhas, que era aplicado por cima da cor opaca. Uma ideia brilhante (rs).
 
Na década seguinte, a francesa Michelle Menard, que trabalhava em uma montadora, se inspirou nas tintas automotivas à base de nitrocelulose (que conferiam brilho aos carros) para desenvolver um esmalte colorido que já brilha por natureza, sem necessidade de verniz. E assim nasceu a substância que conhecemos hoje.
 
Pergunta de @fernanda1sa, via Instagram
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.