Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Cientistas descobrem planeta mais quente já encontrado

Na superfície, o KELT-9b tem temperatura de 4.327 ºC. O calor tem muito a ver com a proximidade que está de seu sol – maior e mais quente que o nosso

Por Guilherme Eler
Atualizado em 11 mar 2024, 15h22 - Publicado em 5 jun 2017, 22h16

Por si só, a descoberta de um novo exoplaneta não é mais algo que deixe os astrônomos lá tão empolgados. Só as principais sondas da Nasa já conseguiram identificar milhares dessas esferas rochosas estranhas à nossa Via Láctea – e, mesmo assim, até agora só a Trappist-1 nos permitiu sonhar com possíveis viagens interplanetárias. Além do que, o trabalho de garimpar o espaço atrás de novos vizinhos é algo que até amadores dão conta de fazer – como esse mecânico australiano, que descobriu logo quatro em um tapa só, há algumas semanas atrás.

Mas, dessa vez, falamos de algo diferente. Do KELT-9b, que você pode chamar também de “planeta mais quente que já se teve notícia”. O exoplaneta está a uma distância de 650 anos-luz da Terra, e ostenta em sua superfície uma temperatura na casa dos infernais 4.327 ºC. Sim, são 1.100 ºC a mais do que o recordista anterior. A descoberta foi feita por um grupo internacional de pesquisadores, e descrita neste estudo publicado na revista Nature.

Para que comecemos a suar só de pensar, basta olhar para os nossos vizinhos mais calorosos. Vênus, planeta mais quente do Sistema Solar, é quase nove vezes mais frio, com já insuportáveis 460 ºC. A efeito de comparação, o Sol que nos aquece tem temperatura média “apenas” 1.300 ºC maior que a do novo planeta. Falar que o KELT-9b é tão quente quanto uma estrela, portanto, não é nada exagerado. Sobretudo se compararmos com versões mais frias desses astros, como as estrelas vermelhas, com representantes na faixa dos 2.000 ºC.

Esse calor todo é explicado pela proximidade do KELT-9b em relação a uma estrela extremamente quente, que ganha em tamanho e temperatura do nosso Sol: a quase-xará KELT-9 ostenta 9.897 ºC na superfície e é 2,5 vezes maior. E o KELT-9b está tão perto dela que poderia completar uma órbita em um dia e meio. Isso é possível porque o planeta circula seu sol de forma diferente da que fazemos com o nosso. Enquanto vamos pela linha do Equador solar, o exoplaneta faz uma rota mais próxima dos pólos da estrela. Isso faz com que, por lá, um ano corresponda a 36 horas.

Não bastasse isso tudo, sabe-se ainda que o novo planeta é cerca de três vezes maior que Júpiter, o grandalhão de nosso Sistema Solar. Porém, o KELT-9b possui a metade da densidade de nosso vizinho. Essa característica pode ser explicada pela atmosfera bizarra do exoplaneta, que o torna um verdadeiro balão de gás.

Sua cobertura gasosa é feita a partir de uma mistura nada convencional de hélio e hidrogênio. Isso porque os gases não estão sob a forma como conhecemos (He e H2). “Quase todos os elementos estão na forma de átomos. É quente demais para existirem moléculas”, disse Jonathan Fortney, professor da Universidade da Califórnia e especialista na análise de atmosferas de exoplanetas em entrevista ao Washington Post.

A radiação que o KELT-9b recebe de sua estrela maior faz com que moléculas não se juntem – o que torna a existência de água e CO2, por exemplo, impossíveis por lá. O que isso tudo quer dizer? Possibilidade zero de vida, é claro.

O nome que os cientistas deram ao planeta faz referência ao equipamento usado para descobri-lo. O conjunto KELT (Kilodegree Extremely Little Telescopes) fica no Arizona, EUA, e trabalha há 12 anos na identificação de corpos celestes.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.