Re:Bit Re:Bit

Por Atualizado em 27/07/2016

Oi amigos, tudo bem? Chegou mais um Teste SUPER. Que, neste mês, é sobre… hambúrguer de micro-ondas! Eles já vêm prontinhos, com o pão, o queijo e a carne montados. É só esquentar e comer. A coisa mais prática já inventada – e uma das mais industrializadas também (contém dezenas de ingredientes, e a carne mistura de boi, porco e frango). Não são o alimento mais saudável do mundo. Mas são gostosos? Qual o melhor? Para descobrir, provamos sete. Clique aí em cima para ver. Abs!

VEJA TAMBÉM:
Teste SUPER#14: Soundbars
Teste SUPER #13: Aspiradores-robô
Teste SUPER #12: Bikes elétricas
Teste SUPER #11: Música por streaming
Teste SUPER #10: Smartwatches
Teste SUPER #9: Fones de ouvido
Teste SUPER #8: Ar-condicionado portátil
Teste SUPER #7: Notebooks com Windows 10
Teste SUPER #6: Pizza congelada
Teste SUPER #5: Câmeras de ação
Teste SUPER #4: Fritadeiras sem óleo
Teste SUPER #3: Celular bom e barato
Teste SUPER #2: Caixas de som Bluetooth
Teste SUPER #1: Máquinas de café expresso

Por Atualizado em 18/07/2016

cia_homePokémon Go já ultrapassou o Twitter e o Facebook: tem mais usuários que o primeiro, e mais engajamento (tempo de uso por pessoa, por dia) que o segundo. Um fenômeno sem precedentes na indústria de games, que fez as ações da Nintendo dispararem. Tudo graças à sua gameplay inovadora, que junta geolocalização com realidade aumentada.

Mas a Nintendo meio que só emprestou a marca e os personagens de Pokémon. O game foi desenvolvido por outra empresa: a Niantic. Ela existe desde 2010, e seu produto mais conhecido é o Ingress, um jogo baseado em geolocalização, muito parecido ao Pokémon Go, lançado em 2012. A Niantic nasceu como subsidiária do Google (desde 2015, é uma empresa independente, mas ainda tem o Google como grande acionista).

A Niantic é uma criação do americano John Hanke. Ele foi para o Google em 2004 – quando sua empresa, a então (e até hoje) quase desconhecida Keyhole, foi comprada pelo Google. Hanke havia inventado um software que juntava fotos de satélite – com a aquisição, esse programa foi transformado no Google Earth. E Hanke chegou a ser vice-presidente de mapas do Google.

A Keyhole, por sua vez, foi financiada pelo fundo In-Q-Tel – o braço de investimentos tecnológicos da CIA. A missão oficial do In-Q-Tel é “identificar, adaptar e implementar soluções tecnológicas para suportar as missões da CIA e da comunidade americana da inteligência”. Ele costuma investir em coisas que possam ser usadas para espionagem (como você pode ver na lista de 38 empresas que apoia atualmente). Não é difícil entender por que a Keyhole interessava à CIA: ela permitia olhar, como depois o Google Earth e o Maps passaram a permitir, qualquer ponto do globo.

E são justamente os mapas online que formam, hoje, o coração do Pokémon Go. Além da origem ligada à CIA, o game também tem levantado certa desconfiança (inclusive de um senador americano) porque pede acesso a todos os contatos do telefone, retira direitos legais dos usuários e supostamente exige o direito de ler todos os emails deles: coisa que os criadores do game negam (o jogo ganhou uma atualização para deixar a negativa mais clara).

Por Atualizado em 28/06/2016

Oi amigos, tudo bem? Chegou mais um Teste SUPER. Neste mês, ele é sobre… soundbars! Pendure uma na parede (ou coloque no rack da TV) e veja filmes com som de cinema, sem precisar encher a sala de equipamentos. As soundbars também têm conexão Bluetooth, ou seja, dá para ouvir as músicas do seu celular (inclusive via serviços de streaming, como o Spotify). Em suma: soundbar é um produto bem legal. Mas qual delas é a melhor opção? Para descobrir, testamos cinco. Clique aí em cima para ver. Abs!

PS: se você quiser consultar os gráficos de resposta de frequência, que menciono no vídeo, pode baixá-los clicando neste link (ZIP).

VEJA TAMBÉM:
Teste SUPER #13: Aspiradores-robô
Teste SUPER #12: Bikes elétricas
Teste SUPER #11: Música por streaming
Teste SUPER #10: Smartwatches
Teste SUPER #9: Fones de ouvido
Teste SUPER #8: Ar-condicionado portátil
Teste SUPER #7: Notebooks com Windows 10
Teste SUPER #6: Pizza congelada
Teste SUPER #5: Câmeras de ação
Teste SUPER #4: Fritadeiras sem óleo
Teste SUPER #3: Celular bom e barato
Teste SUPER #2: Caixas de som Bluetooth
Teste SUPER #1: Máquinas de café expresso

Por Atualizado em 27/06/2016

googleQuando você usa um serviço do Google, qualquer um, aceita que ele armazene e use os seus dados. Ao longo do tempo, isso permite que o Google reúna informações a seu respeito. É bastante coisa – provavelmente bem mais do que você imagina. Agora você mesmo pode ver, acessando uma página que pouca gente conhece:  https://history.google.com/history/. Vale a pena fazer isso, pois você encontrará coisas surpreendentes – e também poderá, se quiser, desativar ou deletar certos itens.

Screen Shot 2016-06-27 at 6.43.04 PMO primeiro item da lista se chama Atividade na Web e de Apps, e reúne dois tipos de informação. Tudo o que você buscou no Google e, se você usa o navegador Chrome, uma lista com todos os sites que visitou (inclusive os que nada tem a ver com o Google e seus serviços). Sim: se você usa o Chrome, a sua navegação é monitorada. A justificativa disso é que, como a barra de endereços do Chrome tem buscador integrado, o Google precisa ficar vigiando o que você digita para detectar eventuais tentativas de pesquisa. Se o seu celular é Android, também aparece uma lista com todos os apps que você usou, e os horários em que abriu cada um. A relação inclui todos os apps, inclusive os não-Google, o que é questionável – é como se Microsoft e Apple monitorassem os softwares que você roda no seu PC ou Mac.

No item seguinte, Atividade de Voz e Áudio, você pode escutar todos os comandos de voz que já deu ao Google (geralmente, buscas que ditou no celular). É divertido, e não muito perturbador.  Depois vem um item chamado Informações do dispositivo, sem muito drama – é só uma lista em que dias e horários o seu celular se conectou aos servidores do Google para fazer backup. Beleza.

Screen Shot 2016-06-27 at 6.44.41 PMO próximo item, que se chama Histórico de Localização, é polêmico. Como a gente revelou em 2014, o Google mantém uma lista com todos os lugares onde você esteve – atualizada momento a momento, dia após dia, ano após ano. Basta andar com um celular (Android) no bolso. É um retrato bem preciso (e invasivo) da sua vida. No site, você pode ver o mapa com todas as suas andanças. E também desabilitar esse monitoramento – basta clicar em Pausar histórico de localização (em 2014, o único jeito era desligar os serviços de localização do celular, o que causava problemas com apps).

Para completar, há dois itens relacionados ao YouTube, listando os vídeos que você viu e procurou. Nada demais. Mas nosso passeio reserva uma última surpresa: a página Control your Google Ads. Nela aparecem os assuntos pelos quais o Google acha que você tem interesse (e utiliza para gerenciar banners publicitários). Sabe quando você pesquisa alguma coisa que está pensando em comprar, como sapatos ou uma geladeira, e subitamente todos os sites passam a mostrar aquilo? Aqui está o motivo.

Você pode desligar a personalização – o que pode reduzir a relevância dos anúncios, mas melhora a sua privacidade. Basta ir até o item Ads based on your interests e selecionar Off (para completar, entre em Control signed out ads e também selecione Off). Você receberá anúncios genéricos, cuja seleção só leva em conta critérios gerais, como a cidade em que você mora – e não utiliza dados pessoais coletados pelo Google.

Ufa, acabou. Ou melhor, quase. A lista não inclui dados coletados pelo Waze (que pertence ao Google) nem pelo Gmail – cujo banco de informações coletadas não pode ser acessado ou manipulado pelo usuário.

Por Atualizado em 20/06/2016

TVMosquitoO segredo da TV, que foi criada pela LG e por enquanto só está à venda na Índia, é um emissor de ondas ultrassônicas. Elas  supostamente afastam os mosquitos da sala, protegendo você e a sua família de picadas enquanto você vê televisão. Uma ideia bem interessante; mas de eficácia questionável.

Um meta-estudo (PDF) publicado em 2010 avaliou dez experiências em que o ultrassom foi utilizado para repelir mosquitos, totalizando 324 testes – e concluiu que a tecnologia não funciona. Um estudo feito no Brasil também constatou a ineficácia do ultrassom contra mosquitos da espécie Aedes albopictus (que disputa espaço, na natureza, com o Aedes aegypti).

A empresa diz que sua tecnologia (também presente em aparelhos de ar-condicionado vendidos na Índia) foi testada “em condições de laboratório”, mas “os resultados em situações reais podem variar”, inclusive de acordo com as espécies de mosquito presentes em cada ambiente. Também adverte que “os mosquitos podem desenvolver resistência” ao ultrassom. Em suma: o repelente ultrasônico não está com essa bola toda. A TV, que foi projetada e é fabricada na Índia, tem outros dois recursos curiosos: o “modo Bollywood”, que promete melhorar o som de filmes indianos, e o “modo críquete”, que equaliza as transmissões desse esporte (muito popular no país).