Re:Bit Re:Bit

Por Atualizado em 26/09/2016

Oi amigos, tudo bem? Chegou mais um Teste SUPER. Que, neste mês, é sobre… toca-discos de vinil. A volta dos LPs já não é mais modinha, é fato: nos EUA, o mercado de discos já movimenta US$ 400 milhões por ano (o dobro dos serviços de música online). Cada vez mais gente quer comprar um toca-discos. Mas o que esperar de cada um? E qual deles é a melhor opção? Clique aí em cima para ver. Abs!

VEJA TAMBÉM:

Por Atualizado em 19/09/2016

O som, que fica entre o chiado e o apito, se manifesta quando o processador do iPhone 7 Plus (o novo A10 Fusion, desenvolvido pela Apple) está sendo mais exigido – como ao rodar games ou programas de benchmarking.

múltiplos relatos do barulho em redes sociais, fóruns e sites de tecnologia dos EUA, onde os novos iPhones já foram lançados (eles ainda não têm data de chegada ao Brasil). Curiosamente, o problema não afeta todos os aparelhos. Somente alguns iPhone 7 Plus.

O barulho é misterioso porque, ao contrário de um desktop, notebook ou console de videogame, o iPhone teoricamente não possui ventoinhas de refrigeração internas – que normalmente são as responsáveis por esse tipo de ruído. Há quem especule que seja uma interferência entre a CPU e os alto-falantes do iPhone, que estariam gerando o som.

A Apple já foi procurada pela imprensa dos EUA, mas ainda não se manifestou. Aparentemente, não há nenhum risco ao aparelho ou ao usuário – ao contrário do que aconteceu com o Galaxy Note 7, que apresentou casos de explosão da bateria e levou a Samsung a fazer o recall de 2,5 milhões de aparelhos.

Por Atualizado em 12/09/2016

pokemon_igreja_homeEle se chama Ruslan Sokolovsky, tem 21 anos e, no mês passado, gravou um vídeo em que joga Pokemon Go dentro de uma igreja católica ortodoxa na cidade de Yekaterinburg, no leste da Rússia (a 1.800 km de Moscou).

No vídeo, que tem mais de 1,3 milhão de acessos, o garoto fala sobre a proibição de jogar Pokemon nas igrejas russas -ato que, segundo as autoridades, constituiria um ato de desrespeito religioso. Ele diz que é uma “bobagem”, e em seguida entra na igreja e joga Pokemon Go, pegando vários monstrinhos.

A polícia reagiu. Ruslan foi preso e enquadrado no Artigo 282 da legislação russa, que proibe a “incitação de ódio” – mesma lei usada, em 2012, para prender as integrantes da banda russa Pussy Riot. Agora, Ruslan será julgado e pode pegar 5 anos de cadeia.

O caso instigou as redes sociais russas, onde surgiu uma hashtag (#FreeSokolovsky) pedindo a soltura do blogueiro. A campanha teve a adesão do próprio prefeito de Yekaterinburg, que se manifestou no Facebook contra a prisão de Ruslan. “Você não pode prender alguém por ser idiota”, declarou.

Por Atualizado em 07/09/2016

homeAcaba de terminar a apresentação da Apple nos EUA. O evento começou diferente, mais informal do que de hábito, com um vídeo de Tim Cook indo de carro -cantando- para a apresentação. Logo em seguida, outra surpresa: Shigeru Miyamoto, o mítico criador da série de games Mario, subiu ao palco para anunciar um novo jogo: Super Mario Run, para iOS.

Nintendo Creative Fellow Shigeru Miyamoto announces a Mario Bros game for the iPhone, as a translator stands nearby, during an Apple media event in San Francisco, California, U.S. September 7, 2016.  REUTERS/Beck Diefenbach
Nintendo Creative Fellow Shigeru Miyamoto announces a Mario Bros game for the iPhone, as a translator stands nearby, during an Apple media event in San Francisco, California, U.S. September 7, 2016. REUTERS/Beck Diefenbach

Trata-se de um endless runner, ou seja, Mario corre automaticamente e você toca na tela para que ele pule. Bem simples. Mas parece divertido, e deve bater recordes de downloads na App Store – tudo vai depender do seu preço, que não foi anunciado (a Nintendo adiantou que o game, que chega para o Natal, não será grátis). Depois de emplacar Pokemon Go, a empresa finalmente vai abraçando o mundo mobile.

Apple Inc. COO Jeff Williams discusses the Apple Watch Series 2 during an Apple media event in San Francisco, California, U.S. September 7, 2016.  REUTERS/Beck Diefenbach
Apple Inc. COO Jeff Williams discusses the Apple Watch Series 2 during an Apple media event in San Francisco, California, U.S. September 7, 2016. REUTERS/Beck Diefenbach

Depois veio a nova versão do Apple Watch. A Apple diz que já é a segunda maior marca de relógios do mundo em faturamento, só atrás da Rolex. Mas é fato que o Watch, que foi lançado em abril de 2015, não se tornou um blockbuster como o iPod, o iPhone ou mesmo o iPad foram (prova disso é que a Apple não divulga a quantidade de relógios vendidos). Para tentar mudar isso, apostou em duas coisas. Primeira: uma versão de pulso do game Pokemon Go. O relógio mostra quando há monstros ou Pokestops por perto, e indica qual distância você precisa andar para chocar um ovo. O app vai rodar em todas as versões do Apple Watch – inclusive a nova, que foi anunciada hoje. O Apple Watch Series 2 mantém o design do anterior, mas agora pode ser usado para nadar e mergulhar (resiste a 50m de profundidade), ganhou novas pulseiras e cores e novo processador, o S2, um dual core que promete 50% mais performance. Nada disso vai transformar o Watch em febre de uma hora para outra, mas a Apple atirou nos alvos certos: a relativa lentidão e a falta de apps relevantes são, hoje, as grandes críticas feitas ao relógio. O novo Watch também tem GPS embutido, ou seja, dá para sair para correr sem precisar levar o iPhone junto. Vai custar US$ 369. O Watch da geração anterior continua no mercado. Ele foi rebatizado de Apple Watch Series 1, ganhou o novo processador, e ficou um pouco mais barato: US$ 269.

 iphone pretoComo esperado, a Apple apresentou o iPhone 7. Ele é feito de alumínio, com acabamento em preto brilhante ou fosco, e sem as linhas de antena que marcavam o design do iPhone 6. É uma evolução, não uma revolução. Mas é diferente – e parece bonito. Suas grandes novidades são o iOS 10 (cujos recursos comentamos em junho), resistência à água (padrão IP67, ou seja, o aparelho pode ficar meia hora submerso a até 1m), e a câmera redesenhada, com nova lente (abertura f/1.8, que deixa passar mais luz), estabilizador óptico, novo flash, novo sensor (12 megapixels) e novo processador de imagem. É uma resposta forte aos avanços do mundo Android, cujos smartphones já têm conseguido igualar, e em certos casos até superar, a câmera do iPhone.

cameraMas, no aspecto fotografia, o destaque ficou com o iPhone 7 Plus e sua câmera dupla, com duas lentes. As lentes ficam uma ao lado da outra e têm distâncias focais diferentes, permitindo que o novo iPhone tenha zoom óptico de 2x. Você tira fotos normalmente, sem se preocupar com isso – e o iPhone seleciona a lente mais adequada conforme o grau de zoom que você tiver dado (acima de 2x ele entra no modo zoom digital, ou seja, começa a cropar e ampliar a imagem).

Phil Schiller, Senior Vice President of Worldwide Marketing at Apple Inc, discusses the depth of field and bokeh effects in the iPhone 7 Plus during an Apple media event in San Francisco, California, U.S. September 7, 2016.  REUTERS/Beck Diefenbach
Phil Schiller, Senior Vice President of Worldwide Marketing at Apple Inc, discusses the depth of field and bokeh effects in the iPhone 7 Plus during an Apple media event in San Francisco, California, U.S. September 7, 2016. REUTERS/Beck Diefenbach

Zoom óptico de 2x ajuda, mas não é nada do outro mundo. O mais interessante é o recurso Background Blur, que usa as duas câmeras para destacar o elemento principal da foto e desfocar o fundo. Você tira a foto, ele analisa a cena, faz tudo sozinho. O resultado fica bem bonito, como se a imagem tivesse sido capturada com uma câmera profissional. Só vai funcionar no iPhone 7 Plus.

 

phoneOs novos iPhones não têm a tradicional saída analógica, de 3,5 mm, para fones de ouvido. Agora os fones deverão ser plugados pelo conector Lightining, o mesmo usado para recarregar a bateria. Os novos iPhones vêm com fones de ouvido digitais, mas também vão aceitar fones comuns, analógicos, por meio de um pequeno adaptador (que virá na caixa). A Apple também mostrou novos fones fones sem fio, os AirPods. São como os fones tradicionais Apple, ou seja, duas pecinhas de plástico que você encaixa nos ouvidos – só que não têm fios. Os AirPods (US$ 159) vêm com uma caixinha que serve para guardá-los e também funciona como carregador portátil, recarregando as baterias dos fones (que duram 5 horas). Lembram bastante os fones GearX, da Samsung.

Ambos os iPhones vêm com um novo processador quad-core, o A10 Fusion, que promete 40% mais performance em relação ao atual A9. Parece bem rápido (a Apple demonstrou um iPhone editando arquivos de imagem RAW, bem pesados). Supostamente, sem comprometer a duração da bateria – que, segundo a Apple, dura 1h a 2h a mais que no iPhone 6. Os preços são os mesmos dos modelos atuais, ou seja, US$ 649 pelo iPhone 7 (na versão com 32 GB de espaço; a de exíguos 16 GB está sendo, felizmente, descontinuada). O iPhone 7 Plus vai custar US$ 769. Ambos estarão disponíveis nos EUA a partir do dia 16. No Brasil, vai demorar um pouco mais (o país não consta da primeira rodada de lançamento).

***
De modo geral, a nova geração de iPhones é um meio-termo razoável. Não é um incremento tão modesto quanto os aparelhos 6S e 6S Plus (que, como todo modelo “S”, são meros spec-bumps, ou seja, só trazem melhorias de hardware, sem mudanças de design). Também não é um redesenho bombástico – esperado para 2017, quando o iPhone completará 10 anos. Mas traz novidades bem relevantes. A câmera dupla deve ajudar a Apple a manter sua supremacia em fotos, e os AirPods chamam a atenção, tendem a vender bem – podem se tornar uma visão relativamente comum nas ruas, pelo menos as dos EUA, a médio prazo.

Por Atualizado em 05/09/2016

apple_homeA Apple foi condenada pela União Europeia a pagar multa de US$ 14,5 bilhões por evasão fiscal. A empresa criou uma subsidiária na Irlanda, onde a carga tributária é menor, e remeteu seus lucros para lá – e isso, segundo as autoridades europeias, fez com que ela pagasse menos impostos do que deveria. Em 2014, a Apple teria pago o equivalente a apenas 0,005% do seu lucro.

A punição é maior da história. A British Petroleum recebeu uma multa maior, de US$ 20,8 bilhões, por derramar petróleo no Golfo do México em 2010, mas só teve de pagar US$ 5,5 bilhões (conseguiu deduzir o resto do imposto de renda). O Bank of America, um dos responsáveis pela crise econômica global de 2008, foi multado em US$ 16,7 bilhões, mas só teve de pagar US$ 9,65 bi.

A Apple se manifestou sobre o caso, dizendo que não fez nada de errado e só estava seguindo as leis da Irlanda – que também beneficiaram outras empresas. A empresa vai recorrer da decisão.
O governo irlandês também se defendeu, alegando que o país tem soberania para decidir quanto imposto cobrar. A Apple tem aproximadamente US$ 215 bilhões em reservas. 90% do dinheiro está alocado fora dos EUA, onde fica a sede da empresa.