Re:Bit Re:Bit

Por Atualizado em 30/11/2016

Oi amigos, tudo bem? Chegou mais um Teste SUPER! Neste mês, ele é sobre…  escova de dentes elétrica! Escovar os dentes não precisa ser uma obrigação cansativa; com as escovas elétricas, vira uma tarefa fácil e agradável, que você faz com pouquíssimo esforço. De quebra, elas limpam muito mais os dentes. Mas qual é a melhor? Para descobrir, nós testamos cinco modelos. Clique aí em cima para conferir. Abs!
VEJA TAMBÉM:
Teste SUPER #18: Celulares até R$ 1.500
Teste SUPER#17: Toca-discos de vinil

Por Atualizado em 17/11/2016

A obra se chama Designed by Apple in California, frase que também vem impressa nos gadgets da marca, e traz 450 fotos de produtos da empresa – todas inéditas e capturadas pelo fotógrafo americano Andrew Zuckerman. É um livro muito bonito, que destaca a harmonia externa e interna dos produtos da Apple, mas também possui uma característica controversa: não conta toda a história.

Ele começa no iMac, lançado em 1998, e vai até o Apple Pencil, de 2015. Esse período coincide com a ascensão do designer Jony Ive à vice-presidência da empresa, em 1997. Produtos revolucionários, como o Apple II (1977), o primeiro Macintosh (1984) e o Apple Newton (1993), simplesmente não aparecem. Na prática a obra, oficialmente dedicada à memória de Steve Jobs, acaba sendo uma elegia (merecida, diga-se) a Ive – que também assina o prefácio.

O livro será vendido em algumas lojas da Apple dos EUA e de seis outros países (Inglaterra, França, Alemanha, Hong Kong, Japão e Austrália), e terá duas versões. Uma menor, medindo 26×30 cm (US$ 199) e outra maior, de 33×41 cm (US$ 299).

Por Atualizado em 10/11/2016

O americano Matthew Roberts pegou seu drone e resolveu sobrevoar o prédio, que está em construção desde 2014. O vídeo que ele gravou (clique aí em cima para ver) mostra que o novo campus da Apple está em estágio bem avançado, com o prédio principal praticamente finalizado – só falta plantar as árvores da parte central (serão aproximadamente 7 mil árvores espalhadas por toda a sede).

A nova sede da empresa, que vai abrigar 12 mil funcionários, fica na cidade de Cupertino, a uma hora de carro de São Francisco. A obra está orçada em R$ 11,6 bilhões (três vezes o preço do Burj Kalifa, em Dubai, o prédio mais alto do mundo) e inclui um auditório subterrâneo com 1.000 cadeiras, sete restaurantes, garagem com 10 mil vagas de estacionamento e 300 pontos de recarga para carros elétricos. O prédio principal é revestido por 6 quilômetros de placas de vidro importadas da Alemanha, e seu teto é coberto por painéis solares, que irão gerar 8 megawatts de eletricidade – o suficiente para alimentar 4.000 casas. A Apple se muda para lá no ano que vem.

LEIA MAIS: O último projeto de Steve Jobs

Por Atualizado em 03/11/2016

Ele se chama Hover Flying Camera, foi inventado pela empresa chinesa Zero Zero Robotics, e será lançado nos EUA no Natal. Quando está fechado, tem aproximadamente o tamanho de um smartphone, ou seja, dá para levar no bolso (ele pesa 240 gramas). Para ativar o drone, basta abrir suas asas – e ele começa automaticamente a voar, mais ou menos na altura do seu rosto.

O bichinho reconhece o seu rosto, e acompanha o que você está fazendo (como andar ou correr pela rua) enquanto tira fotos de 13 megapixels e filma em resolução 4K. Voa a até 27 km/h, e tem um sistema que desvia automaticamente de obstáculos. Suas hélices também são protegidas por grades, o que elimina o principal perigo dos drones convencionais.

A julgar pelos vídeos de demonstração, o Hover funciona surpreendentemente bem – e tem potencial para se tornar uma moda comparável à dos paus de selfie. Os únicos poréns são a autonomia, que é de apenas 8 minutos de voo (o fabricante vai vender uma bateria adicional para remediar isso), e o preço: US$ 600.

 

Por Atualizado em 28/10/2016

Robôs-Google-aprendem-a-falar -secretamente- entre-siOs pesquisadores do Google Brain (a divisão de inteligência artificial da empresa) criaram três softwares-robôs, que foram batizados de Alice, Bob e Eve e tinham missões definidas: Alice deveria mandar uma mensagem criptografada para Bob, que deveria ser capaz de decodificá-la – driblando a espionagem de Eve, cujo objetivo era interceptar e ler a mensagem. Só que nenhum deles foi ensinado a fazer nada disso.

Usando técnicas de rede neural (tipo de inteligência artificial em que o robô aprende sozinho, por tentativa e erro, a executar uma determinada tarefa), Alice e Bob desenvolveram seu próprio método de criptografia e se comunicaram de forma totalmente confidencial, sem que Eve pudesse decodificar as informações. Pela primeira vez na história, duas entidades de inteligência artificial conseguiram criar, sozinhas, um meio para se comunicar de forma secreta.

É um avanço extraordinário – que também pode soar preocupante. Máquinas inteligentes conversando secretamente entre si mesmas, sem que a humanidade possa saber o que estão tramando, daria um belo roteiro para uma distopia de ficção científica. Mas, na vida real, não precisa ser assim. Primeiro, porque máquinas inteligentes não irão evoluir, necessariamente, contra a humanidade. Segundo, porque basta projetar os sistemas de inteligência artificial com salvaguardas, ou seja, mecanismos de segurança que sempre permitam intervenção humana nas máquinas. Mesmo que essa intervenção seja a mais banal de todas: desligá-las da tomada.