Blogs

Novo relógio da Apple tende a se tornar símbolo de status – e por isso dar certo

9 de setembro de 2014

Screen shot 2014-09-09 at 2.18.20 PM
O evento da Apple, que acaba de terminar nos EUA, teve o previsível e o inesperado. O previsível foi o anúncio do iPhone 6, cujo destaque é a tela bem maior: 4,7 polegadas. Pode não parecer, mas é uma diferença bem grande em relação ao iPhone 5S – e coloca o celular da Apple em pé de igualdade, no quesito tamanho, com os bons celulares Android. O inesperado foi o anúncio do iPhone 6 Plus, com uma enorme tela de 5,5″. É um celular tão grandalhão quanto o Galaxy Note 2, da Samsung. Não é fácil de segurar com uma mão, nem cabe em qualquer bolso. Os smartphones gigantes são desajeitados, mas fazem o maior sucesso: o Galaxy Note já vendeu mais de 50 milhões de unidades. Agora, a Apple tem um. Com isso, abandona de vez o dogma criado por Steve Jobs – que ridicularizava os celulares de tela grande.

Todos os novos iPhones são mais finos que os atuais, mas a diferença é muito pequena – cerca de meio milímetro. A câmera se manteve em 8 megapixels, mas ganhou um novo sensor (e, no caso do iPhone 6 Plus, estabilizador óptico). Uma novidade interessante é o recurso câmera lenta, que permite gravar vídeo a até 240 quadros por segundo. O processador é o novo A8, que segundo a Apple é 20% mais rápido do que o A7. Vai ajudar a “empurrar” seu sistema operacional, o iOS 8. Aliás, o iOS 8 será liberado no dia 17/setembro para quem tem iPhone 4S, iPad 2 ou superiores. Mas, como muita gente aprendeu a contragosto na transição para o iOS 7, vale a pena esperar um pouco antes de baixar (até se certificar de que o sistema não vai deixar seu aparelho lento).

No quesito bateria, a Apple promete desempenho igual ou ligeiramente melhor que o dos iPhones atuais, o que não significa muita coisa (a excecão é o 6 Plus, que promete 20% a mais de autonomia porque é maior, e por isso comporta uma bateria maior). Bateria vai continuar sendo um problema para a maioria das pessoas – principalmente depois que o celular já tem 1 ou 2 anos de uso, e ela começa a perder força.

Os preços são os mesmos de hoje, ou seja, começam em US$ 199 para o iPhone 6 (nos EUA e com contrato de operadora) e US$ 299 para o 6 Plus (idem). No Brasil… pode apostar que continuarão altíssimos. Mas uma mudança pode interessar aos consumidores menos abastados: o iPhone 5S continuará sendo produzido e passará a ser a opção econômica da Apple, ou seja, pode chegar aqui na faixa de R$ 1.000, atualmente ocupada pelo 4S – e por uma porção de excelentes celulares Android. Os novos iPhones serão lançados no dia 19 de setembro nos EUA – e em mais 115 países, o que muito provavelmente inclui o Brasil, até o final do ano.

digital crown
O vidro dos novos iPhones nao é de safira, algo esperado desde que a Apple comprou uma fábrica desse material nos EUA. A empresa diz apenas que o vidro é “reforçado por íons”, seja lá o que isso signifique. O vidro de safira, como o usado em relógios mais caros, seria um avanço considerável – porque criaria iPhones essencialmente inquebráveis. Mas a empresa usou a safira em seu outro produto: o Apple Watch. Sim, ele apareceu. Todo mundo esperava que a Apple fosse lançar um relógio – mas poucos apostariam que fosse ser quadrado (um mostrador redondo, como o do Moto 360, parecia mais provável).

Apesar do formato convencional, ele traz novidades interessantes para os smartwatches. Sua coroa (pino lateral) funciona como botão Home e para dar zoom na tela. Que sente, além do toque, também a pressão dos dedos (apertar com mais força, gesto que a Apple batizou de Force Touch, aciona funções como trocar o mostrador do relógio). Também tem um sensor que mede os seus movimentos e batimentos cardíacos. A Apple mostrou alguns aplicativos, que avisam sobre horários de voo, dizem se o trem está vindo, mostram onde seu carro está. Mais ou menos como os relógios com Android Wear.

Como no caso dos iPhones, o Apple Watch tem dois tamanhos – um mais discreto e outro maiorzinho, ambos com diversas opções de acabamento e pulseira. E aí está a chave de tudo. Porque, mais do que um sistema operacional bacana e recursos interessantes, a Apple levou em conta o que as pessoas mais buscam num relógio: a estética. Relógios são acessórios de moda, e ninguém quer usar um idêntico ao de outra pessoa (coisa que pode acontecer com o Moto 360 ou com os relógios da LG e da Samsung, que oferecem bem menos opções de personalização). Além disso, o Apple Watch vai custar US$ 349 e seu uso exigirá um iPhone (5 ou posterior). É uma combinação que vai custar caro, em especial no Brasil. Por isso, tende a ser símbolo de status – e por isso vai ser desejada, como o iPhone já foi. E, por isso, tende a vender bem. Quando o relógio for lançado, no começo do ano que vem, saberemos.


Facebook cria tag para identificar posts de mentira

18 de agosto de 2014

satire
O Facebook começou a usar a tag “Sátira” para classificar alguns dos posts - como os publicados pelo site de humor The Onion, cuja especialidade é fazer graça parodiando o noticiário (suas matérias têm títulos como “Policial não diferencia suspeitos negros e pardos”, ou “Nova montanha-russa tem 15 mil km”). A tag é aplicada automaticamente e, segundo o Facebook, foi um pedido dos usuários, que não estavam conseguindo diferenciar realidade e ficção. A classificação só funciona com conteúdo em inglês, e ainda está em testes. Mas, considerando a quantidade de boatos e notícias falsas que aparecem no Facebook, um filtro poderia ser bem útil.


Google tem relatório com todos os lugares onde você esteve; confira com os seus próprios olhos

13 de agosto de 2014


Se você usa um celular Android, o Google monitora a sua localização. Talvez você já soubesse disso. Mas ao ver a lista compilada pelo Google, você provavelmente vai levar um susto. Ela mapeia todos os seus passos, 24 horas por dia, dia após dia, mês após mês, ano após ano – e organiza numa espécie de calendário. Clique aqui para conferir. Inclui absolutamente tudo.

O Google vigia a sua localização para fornecer “serviços relevantes”, como resultados de busca relacionados ao lugar onde você está. É legítimo, e não é exclusividade do Android (desde 2011, sabe-se que o iPhone faz algo similar). Mas também é meio perturbador – pois o celular transmite a sua localização mesmo se você estiver com o Google Maps fechado e o GPS desligado.

Um prato cheio para os robôs do Google (que já têm acesso aos seus emails, chats, buscas e até navegação na internet), e um banquete tentador para os espiões da NSA. Há quem diga que quem não deve não teme. Mas se você acha que isso tem um pouco de “1984″, em tese é possível desligar o monitoramento. Entre nas configurações do Android, abra o item Serviços de local e desmarque as opções “Serviços de localização do Google” e “Localização e pesquisa do Google”. Isso irá deixar o Google Maps mais lento, pois ele passará a depender exclusivamente do GPS (no iOS 7, as configurações relevantes ficam em “Serviços de localização”).


Aplicativo para iPhone copia a chave de qualquer porta

30 de julho de 2014

keyme
Você tira uma foto da chave, e o app KeyMe se encarrega do resto. Usando uma impressora 3D, os criadores do aplicativo produzem uma cópia perfeita da chave – e mandam pra você pelo correio. O serviço, que por enquanto só está disponível nos Estados Unidos, é uma maneira rápida e prática de fazer cópias, mas também está gerando polêmica - porque pode criar grandes problemas de segurança. O simples ato de tirar as chaves do bolso e colocá-las em cima da mesa (no trabalho ou em um restaurante, por exemplo), pode ser suficiente para que elas sejam clonadas. Claro, há outros obstáculos -o bandido precisa descobrir onde você mora e ter acesso ao prédio, se for o caso-, mas o aplicativo pode ser considerado relativamente preocupante.


Boa parte das televisões 4K não é realmente Ultra HD; entenda por quê

17 de julho de 2014


Durante os jogos da Copa, você certamente viu os anúncios de algo chamado “4K” – um novo padrão de televisões, que também é conhecido como Ultra HD e tem 4 vezes mais resolução do que as TVs atuais. Ainda há pouquíssimo conteúdo gravado nesse formato (a NET transmitiu alguns jogos da Copa, o Netflix oferece a série “House of Cards” e a Sony tem alguns filmes gravados em Ultra HD), e você só consegue perceber a melhoria na qualidade de imagem em telas muito grandes, de 60″ ou mais, e sentando bem perto da TV. Mas o 4k/Ultra HD é um avanço bem vindo, e deve se tornar o padrão da indústria.

Mas nem todas as televisões 4K/Ultra HD são o que de fato dizem ser. Não mais. A Consumer Electronics Association (CEA), entidade que reúne as empresas de eletrônicos, revisou o padrão – e incluiu exigências que várias TVs não atendem. Agora, para ser considerada de fato Ultra HD, a televisão precisa ter entrada HDMI 2.0 e decodificador HEVC (High Efficiency Video Codec). Essas tecnologias são realmente essenciais, pois é só graças a elas que a TV consegue rodar todos os vídeos Ultra HD, e a 60 quadros por segundo.

O problema é que várias televisões “4K/Ultra HD” atualmente no mercado não possuem essas características. Por isso, vale ficar atento à presença delas - principalmente agora, depois da Copa, em que todos os fabricantes querem desovar seus modelos antigos, e por isso têm oferecido bons descontos.  Nem todo Ultra HD é o que parece.