Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Supostos lagos subterrâneos de Marte podem ser de argila em vez de água

Depósitos minerais são a nova explicação – mais provável – para sinais detectados por um radar em 2018 no polo sul do Planeta Vermelho.

Por Luisa Costa
5 ago 2021, 19h47

Água é essencial para a vida aqui na Terra. Por isso, encontrar indícios do líquido em outro planeta é algo que costuma empolgar os cientistas. Em Marte, por exemplo, o gelo até que é abundante nos polos – mas procurar o dito-cujo em estado líquido nesse planeta tão frio e seco é uma tarefa ingrata.

Não faz muito tempo, pesquisadores ficaram intrigados – e ouriçados – com dados que pareciam indicar a existência de lagos subterrâneos no Planeta Vermelho. A novidade decepcionante é que, de acordo com um novo estudo, os tais lagos na verdade podem ser depósitos de argila marciana. 

Essa história começou em 2018, quando o MARSIS, um instrumento de radar a bordo da nave Mars Express da Agência Espacial Europeia (ESA), coletou informações compatíveis com a existência de água embaixo das calotas polares do hemisfério sul. 

O radar, posicionado em órbita, emite ondas eletromagnéticas na direção do planeta. Essas ondas batem na superfície e voltam. E as características da reflexão variam conforme o material atingido. 

Mais tarde, outros lagos subterrâneos foram detectados – e, caso fosem mesmo feitos de água líquida, esses reservatórios poderiam abrigar vida. Mas a história estava mal contada: uma quantidade de calor e sal que a geologia de Marte não tem condições de oferecer seriam necessários para formar e manter a água líquida nesses locais. (Ao menos de acordo com o que se sabe sobre o planeta até agora.)

Continua após a publicidade

Pensando nisso, um novo estudo, conduzido por Isaac Smith, pesquisador da Universidade de York, no Canadá, sugere que argilas já conhecidas e presentes em abundância no sul de Marte podem explicar os sinais de radar.

“Há ceticismo sobre a interpretação do lago, mas ninguém ofereceu uma alternativa realmente plausível”, afirma Smith. “Portanto, é emocionante ser capaz de demonstrar que algo mais pode explicar as observações do radar e demonstrar que o material está presente onde deveria estar.”

A equipe estudou minerais conhecidos como esmectitas, um tipo de argila cuja composição química é mais próxima à de uma rocha vulcânica do que outras argilas. Esses minerais se formam quando rochas vulcânicas erodidas sofrem mudanças químicas ao interagirem com a água. Essa argila pode reter grandes quantidades de líquido.

 

Os pesquisadores descobriram em laboratório que esmectitas carregadas de água podem gerar o tipo de reflexo detectado pelo MARSIS, mesmo quando junto de outros materiais. Para isso, eles resfriaram os minerais a uma temperatura de -43 °C – o tipo de frio encontrado nas regiões polares marcianas.

Os cientistas sugerem que as esmectitas se formaram no polo sul de Marte numa época mais quente, quando a área ainda era coberta por água. E, posteriormente, essas argilas carregadas de água teriam sido enterradas sob o gelo.

Ou seja: não vai ser dessa vez que Elon Musk vai vender mergulhos marcianos para os clientes da SpaceX. Quem visitar o Planeta Vermelho vai ter que se contentar em chupar gelo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.