Clique e Assine por apenas 8,90/mês
Publicidade
Alexandre Versignassi Blog do diretor de redação da SUPER e autor do livro "Crash - Uma Breve História da Economia", finalista do Prêmio Jabuti.
Na palavra "economia", o “eco” vem de oikos, “casa”. O “nomia”, de “regras”, “normas”. E agora as regras da casa devem mudar de forma brutal.
Pelo ponto de vista sociológico, armar a população para “impedir uma ditadura” equivale a defender o estabelecimento de uma.
Boris Johnson deu uma inesperada mostra de lógica na luta contra contra a Covid-19. Já aqui lideramos o ranking mundial de contágios, e Bolsonaro chama para um churrasco.
As grandes navegações foram empreitadas milionárias de um capitalismo nascente – e deram origem ao mercado financeiro como o conhecemos hoje.
Após a Segunda Guerra, os dólares do Plano Marshall fundamentais para curar a Europa. Agora, cada país deve tecer sua própria estratégia de resgate.
Isso só vale para o óleo vendido nos EUA com entrega em maio. O resto segue “normal”
Temos 150 bancos, contra 4,5 mil nos EUA. Quatro deles detêm 70% dos depósitos. E o problema não é só esse.
Diga o que digam os políticos, brecar o coronavírus é uma missão de cada um de nós.
São dois fatores, em conjunto: juro baixo e, mais importante, um cenário de pânico global, com todo mundo fugindo para o dólar e para o ouro.
A Rússia trucou. A Arábia Saudita pediu seis. Mas quem se complica feio mesmo são os EUA.
Publicidade